Destaque »

Reajuste dos servidores municipais causa polêmica na Câmara de Vereadores

19 de junho de 2019 – 12:17 |

O Projeto que dispõe sobre o reajuste salarial dos servidores da Prefeitura de Araxá foi amplamente debatido na reunião ordinária da Câmara Municipal de Araxá, realizada na tarde da última terça-feira (18/06). No início dos …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » Agronegócios

Queijo prato com corantes bioativos pode prevenir doenças oculares

Queijo Prato 2O queijo prato pode ser mais um aliado na prevenção de doenças e lesões oculares, como a catarata e a degeneração macular, que chega a causar cegueira em pessoas com mais de 65 anos. A utilização de corantes bioativos na fabricação do produto, como a luteína em substituição ao urucum, foi testada em projeto de pesquisa desenvolvido pela EPAMIG Instituto de Laticínios Cândido Tostes (ILCT) com resultados positivos. “Substituímos o corante de urucum, tradicionalmente utilizado durante a fabricação do queijo prato, por corante luteína, com propriedades antioxidantes que evita essas doenças. Os resultados apontaram a absorção de 6mg de luteína em cada 100g de queijo, quantidade necessária para uma dieta diária de reposição dessa substância no organismo; e o melhor, sem alterar o sabor do produto”, revela a pesquisadora Denise Sobral, que coordenou o estudo. Segundo ela, o queijo prato é o segundo mais consumido no Brasil e a utilização da luteína pode trazer benefícios à saúde, sem alterar os hábitos da população. “A versatilidade, faz com que o queijo tenha grande potencial para se tornar um alimento funcional, pois consegue atingir diferentes faixas de idade, classe social e exigências de consumo”, observa. O projeto desenvolvido na EPAMIG ILCT foi financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig). Durante três anos, os pesquisadores fabricaram o queijo prato com luteína e realizaram análises para verificar o grau de absorção da substância bioativa no queijo, a composição, a textura, a microbiologia e a coloração do produto, comprovando que a luteína não altera as características do produto final.

Benefícios da luteína

A luteína é um dos principais pigmentos maculares contidos na retina humana, sendo responsável por duas funções fundamentais: proteger a mácula contra o estresse oxidativo (função antioxidante) e filtrar a luz azul de alta energia, melhorando a acuidade visual. Por meio desses mecanismos, acredita-se que luteína possa contribuir para a diminuição do risco de ocorrência de catarata e de degeneração macular relacionada à idade. A degeneração macular relacionada à idade é a principal causa de perda de visão irreversível na população de idade avançada nos EUA e no mundo Ocidental. Estima-se que 1,6% da população entre 50 e 65 anos de idade seja afetada por esta doença, aumentando para 30% no grupo de indivíduos com idade acima dos 75 anos. Como a proporção de idosos na Queijo Prato 1população brasileira aumentou, assim como a expectativa de vida, o impacto da doença na saúde pública tende a se tornar mais severo, apontam os estudos. Como a luteína não é sintetizada pelo organismo humano, é necessário que seja suprida por meio da alimentação. A dose mínima de luteína a ser ingerida para que tenha efeitos benéficos à saúde é de 6mg diárias. O próximo passo, segundo Denise Sobral, é viabilizar a utilização da luteína junto à indústria, já que a substância tem custo maior que o urucum.