Destaque »

Araxá Esporte vence Ponte Nova e segue com 100% de aproveitamento na Segundona

20 de agosto de 2018 – 17:35 |

Jogando mais uma vez longe da torcida alvinegra, por causa do veto da Federação Mineira de Futebol, ao estádio Fausto Alvim, o time do Araxá Esporte Clube, venceu de novo no Campeonato Mineiro da …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » +, Saúde

Apicultura será representada no Conselho Estadual de Política Agrícola

A Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) iniciou os procedimentos para a criação da Câmara Técnica Setorial do Mel e Produtos das Abelhas. A proposta é que ela entre em funcionamento em abril deste ano e seja composta por 21 assentos, divididos entre as instituições do setor privado que atuam no segmento (50 por cento mais um) e o restante repartido entre as instituições do setor público. Segundo o secretário de Agricultura Pedro Leitão, a instalação da câmara técnica é uma reivindicação antiga dos apicultores. “A câmara é o fórum legítimo e representativo do setor e tem a função de atuar como ouvidoria e, também, ser propositiva e deliberativa para a solução dos entraves que afetam a cadeia produtiva”, explica. Atualmente, 16 câmaras técnicas e setoriais estão representadas no Conselho Estadual de Política Agrícola (Cepa) e operam no Sistema da Agricultura em Minas Gerais. São eles: cachaça de alambique; café; floricultura; fruticultura; grãos; olericultura; silvicultura; aquacultura; avicultura; bovinocultura de corte; bovinocultura de leite; equideocultura; ovino e caprinocultura; suinocultura; defesa agropecuária; seguro e crédito rural. “As contribuições dos conselheiros do Cepa e das Câmaras Técnicas são de grande importância pois produzem demandas cruciais para a formulação de políticas públicas na agropecuária. Por isso, é fundamental que os representantes de todas as cadeias produtivas estejam presentes”, reforça o secretário Pedro Leitão, presidente do Cepa. A produção de mel e derivados se apresenta como fonte alternativa de renda para os produtores de todas as regiões do estado. No Norte de Minas, devido aos problemas de chuvas irregulares e escassez hídrica, a apicultura, muitas vezes, se apresenta como a única fonte de renda para as famílias. Segundo a Emater-MG, Minas Gerais produz aproximadamente 5,8 mil toneladas de mel por ano, com destaque para a Zona da Mata (1,2 mil toneladas/ano), Vale do Jequitinhonha (1 mil toneladas/ano) e Norte (804 toneladas/ano). Um dos projetos da Secretaria de Agricultura para impulsionar a atividade é a compra e distribuição de kits de apicultura para associações a partir do ano que vem. Cada kit será formado por 20 colmeias, 20 quilos de cera, dois Equipamentos de Proteção Individual (EPI), dois fumegadores, dois formões e duas carretilhas. O setor chega como atração na 58a Exposição Estadual Agropecuária, que será realizada no período de 22 a 27 de maio, no Parque da Gameleira (BH). “Pela primeira vez vamos trazer e montar na exposição estadual a infraestrutura para a retirada, processamento e colocação do mel em sachês. É uma maneira de aproximar a atividade do público urbano”, explica o secretário. Durante a exposição, também será apresentada a diversificação da atividade, com a exposição de vários produtos derivados da apicultura (própolis, pólen, cera e geleia real), além dos vários tipos de mel produzidos a partir de floradas específicas.