Destaque »

Mosaic abre inscrições para a 2ª edição do Edital da Água

28 de Maio de 2020 – 18:47 |

A Mosaic Fertilizantes, uma das maiores produtoras globais de fosfatados e potássio combinados, abriu as inscrições no sábado (23.05) para a segunda edição do seu edital, cujo objetivo é valorizar e incentivar projetos que visam …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » Saúde

Caravana da Saúde estará em Araxá no fim deste mês

A Caravana da Saúde estará em Araxá no próximo dia 30 de agosto. Será às 10h, no Auditório do SEST/SENAT,localizado próximo ao trevo de saída para Uberaba e Uberlândia pela BR 262. Na oportunidade, o parlamentar araxaense e o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Dinis Pinheiro, além de outras autoridades, farão uma exposição sobre essa iniciativa pioneira para a apresentação de um projeto de lei de iniciativa popular, determinando a aplicação de 10% da receita corrente bruta da União para a saúde pública. O evento vai ser realizado por virtude de uma emenda parlamentar do deputado estadual Bosco.

A campanha “Assine+Saúde”, que mobilizou em Belo Horizonte milhares de voluntários, parte agora para o interior do Estado em busca da coleta de 1,5 milhão de assinaturas, número exigido para a apresentação de projeto de iniciativa popular. O movimento é conduzido no país pela Associação Médica Brasileira, Ordem dos Advogados do Brasil e Academia Nacional de Medicina. Em Minas Gerais, conta com as parcerias da Associação Médica, Associação Mineira de Municípios e da Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Belo Horizonte, além da Assembleia Legislativa.

Entre abril e junho, sete municípios mineiros receberam as reuniões da Comissão de Saúde da Assembleia para divulgação da campanha, atingindo já a coleta de 230 mil assinaturas. No mês de abril, durante o Ciclo de Debates “Mais recursos para a saúde”, foi lançada a Caravana.

A iniciativa foi motivada pela regulamentação da Emenda 29, de 2000, que prevê os percentuais de investimentos dos Estados e dos municípios, 12% e 15% respectivamente, no setor da saúde, deixando a União apenas com a obrigatoriedade de garantir o investimento do ano anterior, acrescido da variação nominal do Produto Interno Bruto (PIB).