Destaque »

Catarina enfrenta ventos fortes, mar agitado e baixa temperatura da água na travessia do Canal da Mancha

13 de setembro de 2019 – 18:25 |

Por Maurício de Castro Rosa
O ser humano é o único animal que arrisca sua vida sem ser para comer ou se salvar de um predador. Ele arrisca a vida por adrenalina, por emoções, por desafios, …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home »

19 03 02 BOAS LEMBRANÇAS, DO RIO QUEBRA-ANZOL

O rio Quebra-Anzol me traz muitas lembranças, antes da represa de Nova Ponte modificar a paisagem eram lindas suas praias com matas virgens que contornavam aquele rio fundo e tão acidentado! Sua fama de engolir gente, era uma verdade, pois era muito raro o ano que seu balanço catastrófico era de poucos casos. Pescadores que não o respeitava, já podia dizer que seria mais um freguês, daquelas águas fundas de corrediças. Chupões eram vistos constantemente no seu centro, criando verdadeiros redemoinhos, querendo levar para seu fundo alguém ou alguma coisa. Estávamos embarracados naquela linda praia e naquele lugar, o rio Quebra-anzol, era maravilhoso, com suas águas muito claras, embora com grandes redemoinhos; nos deslocávamos sempre com muito cuidado, pois isto o tornava muito perigoso. A praia terminava naquele grande tanque, onde parecia ser a morada dos grandes peixes, sendo também o lugar mais piscoso. A linda mata virgem, composta de árvores centenária e milenar. O grande ipê, tão imponente se destacava das demais, seguido por cedros, sibipirunas, sucupiras, angicos, jacarandás e muitas árvores de madeira de lei. Entre ela e o rio, a linda praia, onde armamos nossas barracas. Sua flora e fauna, era muito rica, com mais de oitenta quilômetros de extensão, a chamada famosa mata dos Ferreiras, por pertencer a tradicional família dos Ferreiras. Os macacos prego estavam com os miquinhos estrela, ali pertinho das barracas, a espera de algum agrado de nossa parte, pois Benedito sempre os tratava muito bem, com bolachas rapadura e outra quitutes. As saracuras e os inhambus, eram nosso despertador todas as manhãs. Faziam verdadeira alvorada, tendo também as seriemas com seus cantos estridentes, para nos despertar. O bando de macacos guaribas por outro lado, com aquele barulhão, anunciava mais um término do dia. A coam cantava triste, na madrugada, dizem que traz mau agouro, por isto, quando cantavam, Benedito fincava o facão no chão, para neutralizar o mal, agouro. Hoje este lugar foi coberto pela represa de Nova Ponte, afogando toda aquela maravilha, de uma natureza tão bonita, tão simples e tão romântica, ficando para nós, mais uma das…
BOAS LEMBRANÇAS, DO RIO QUEBRA-ANZOL
francelinocardosojr@hotmail.com
. .