Destaque »

Élvio Bertoni fala das ações e novos projetos de segurança e trânsito em Araxá

20 de Janeiro de 2018 – 15:27 |

Em entrevista exclusiva ao JORNAL INTERAÇÃO, o Secretário Municipal de Segurança Urbana e Cidadania, Élvio Bertoni, fez um balanço das ações da pasta em 2017 e detalhou alguns projetos que deverão ser colocados …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home »

FOI AQUELA PESCARIA, NO RIO TOCANTINS

A cinco dias estávamos naquela linda praia, que fazia a divisa entre o lindo Tocantins, com a linda mata nativa de árvores milenares

Naquela gostosa manhã de verão, assistíamos ao lindo espetáculo da natureza, a aurora, em que o sol o rei do universo, anuncia sua chegada, tingindo com nuvens multicores aquela natureza selvagem, tão linda. Depois de um reforçado tira jejum, nosso barco, a todo motor subia o rio Tocantins. Como é bonito este rio, muito largo, que nos surpriendia á cada momento , hora os botos, hora os jacarés, hora as grandes tartarugas, desovando nas praias. Depois de quarenta minutos, chegamos a nosso destino. Era um tanque muito profundo, onde segundo nosso guia, estavam ali os grandes peixes, os lindos exemplares da bacia amazônica.  Uma linda mata terminava em um alto barranco na beira do rio, nele um ingazeiro, dele caiam na água seus frutos, cevando ainda mais o grande e profundo tanque.  Resolvemos apoitamos ali o barco, tendo a certeza de ser o melhor lugar, inclusive pelas instruções de nosso guia Tião. O tempo passava, cada vez mais, a pescaria ia rendendo bons frutos. Piaparas, grandes piaus, cachorras, cacharas e até uma pirarara bem grande. Pelas onze horas, voltamos para nosso alojamento. Estávamos embarracados, naquela praia de areias muito clara, com extensão de sumir de vista, contornando o lindo rio Tocantins. Logo Benedito começava seu trabalho de cozinheiro. Era muito eficiente, porem não gostava de palpites em seus cardápios, concordávamos com ele, sabíamos que ele era um grande mestre no assunto. Naquele almoço, o prato de destaque era a grande cachara, assada no braseiro, enrolada em folha de bananeira. Aguardando, bebericávamos e ouvíamos os gostosos causos de nosso guia, sobre pescarias e até, sobre uma assassina onça, um canguçu preto, que rondava por aquelas bandas. Depois do gostoso enche bucho, fomos tirar uma soneca. Ás tardes pescávamos por ali mesmo, porque na entrada da noite, o pesqueiro ali prometia.  Também evitávamos da pescaria noturna, pudera depois dos causos do canguçu assassino, ficamos de fato com medo. Nas tardes na entrada da noite, enquanto admirávamos o crepúsculo, divertíamos com nossos visitantes, lagartos verdes, rapozinhas, cachorros do mato também um gambá, vinham procurar sua bóia perto das barracas, onde Benedito os servia, num cocho com restos de comida. Como era gostoso aquele lugar, principalmente os macaquinhos e micos, que faziam molecagens numa arvore próxima, depois vinham cobrar sua bóia, eles já estavam tão espaçosos que chegavam a entrar nas barracas, a procura de bolachas e outras guloseimas. Faziam uma bagunça danada, contrariando o bravo Benedito, porque também, iam até na cozinha. Nas madrugadas eram as onças que faziam a festa, no centro da mata esturrando chamando seus companheiros para o acasalamento. Hoje saudoso, relembro um dos melhores passeios que…

FOI AQUELA PESCARIA, NO RIO TOCANTINS…

francelinocardosojr@hotmail.com