Destaque »

CBMM realizará testes de sirenes

30 de setembro de 2020 – 13:52 |

A medida preventiva faz parte do Plano de Ação de Emergência para Barragens e as atividades operacionais e administrativas não serão afetadas
 
Com o objetivo de garantir o funcionamento do sistema de alerta de emergência em barragens, a …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » +, Cultura

Homenagem ao saudoso Leonídio José Antônio da Cruz

 

A saudade causada por um “adeus” não é nada fácil. Fere o coração.Somos egoístas.

Queremos a pessoa ali ao nosso lado em qualquer condição física e quando morre ainda questionamos que Deus é esse que permitiu tal fatalidade?

“ E se Deus permitisse mais um dia, mais 3 horas, mais 12 anos ter você ao nosso lado, será que agiríamos diferente? “

Acredito que faríamos exatamente igual.Somos seres imperfeitos e estamos aqui pra aprender e evoluir.

Somos gratos pela oportunidade que Deus nos concedeu de virmos para o plano material para sermos companheiros de jornada terrena.

Agradecemos imensamente por você ter sido o melhor filho, irmão, esposo, pai, avô, músico, engenheiro civil e amigo.

Do lado de cá, guardamos bons momentos vividos ao seu lado como: ouvir você ensaiar diariamente para as apresentações, tocar nos principais festivais da cidade de Araxá, tocar em casamentos e barzinhos, tomar uma cervejinha e tocar no Bar do Betão, brincar carnaval e tocar com os amigos da Banda Vira-Lata, almoços  e jantares na Loja Maçônica Ação e Silêncio,assistirmos juntos aos jogos do Flamengo,esperar ansiosamente pelos seus presentes de Natal e viajar com os netos pra praia.

Ah ,e Deus te levou porque o céu têm muitos colegas que ficam querendo ter notícias a todo momento dos que estão na Terra e Deus precisa de alguém pra acalmar e iluminar  com música os coraçõesinhos desses ansiosos.

Você deixa saudades e guardaremos seu sorriso em nossa memória em  nossos corações.

“Qualquer dia, amigo, eu volto  a te encontrar
qualquer dia, amigo, a gente vai se encontrar”

 

Por Naíma Borges