Destaque »

Conheça três das grandes atrações musicais deste fim de semana no FestNatal Araxá

13 de dezembro de 2019 – 16:57 |

Caio Mesquita, Igor Prado e Raphael Wressnig são reconhecidos mundialmente pelo talento e qualidade dos espetáculos
O FestNatal Araxá abre neste fim de semana no Expominas uma série de apresentações musicais que promete encantar …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » +, Destaque

Coluna do Francisco Géa

“OS FILMES COM TEMAS POLÍTICOS E COM OS REGIMES DE FORÇA”

Francisco José Géa

“APRESENTAÇÃO”

Os regimes de força são aqueles governos que usaram da opressão, como as ditaduras, para governarem com a mão de ferro, sendo que as ditaduras sempre povoaram as mentes dos cineastas e diretores de cinema, observando que a ditadura brasileira, iniciada no ano de 1964, foi um tempo dos mais fecundos para a realização de ótimos filmes, foram momentos realmente grandiosos para o nosso cinema.

Não é demagogia ou ironia em dizer, que este tema é o que tem dado mais alegria e prazer, para os cineastas, pesquisadores, estudantes de cinema, e jornalistas. Foi um período muito rico em filmes e em temas afins.

Estes acontecimentos geraram um vasto e amplo material, para pesquisar e estudos, pois o assunto de tortura, que é uma das ações mais repugnantes da nossa história e da história da humanidade em geral, onde o direito soberano da liberdade é tolhido, pois o direito de ser, ter, pensar, agir, ir e vir, é um muito grandioso para a realização de filmes.

A brutalidade propriamente dita começa com a agressão física, e vai numa crescente de violência, sendo que estes fatos ainda estão bem vivos na memória de todos, sendo que este filme registrou tudo isto. Sei que muitos procuram esquecer estes pesadelos e destas dores, mas a dor quando ela é relembrada ela nos faz gemer outra vez.

O clima sufocante ao terror e da opressão, foi mostrado e sugerido em diversos  filmes, de um passado que não está assim tão distante.

Entre as diversas produções do nosso cinema, que merecem destaque que o público deve assistir e conhecer sugiro os seguintes e grandiosos filmes:

“FILMES DE LONGA METRAGEM”

“AÇÃO ENTRE AMIGOS” – 1998 – Direção de BETO BTANT, com Leonardo Vllar, Cacá Amaral, Carlos Meceni e Cássio Gabus Mendes.

“O PAÍS DOS TENENTES” – 1987 – Direção de JOÃO BATISTA DE ANDRADE, com Paulo Autram.

“PRÁ FRENTE BRASIL” – 1982 – Direção de ROBERTO FARIAS, com Reginaldo Farias, Antonio Fagundes, Nathalia do Vale, Elizabeth Savala, Carlos Zara, Claudio Marzo e Paulo Porto.

“PAULA, A HISTORIA DE UMA SUBVERSIVA” – 1978 – Direção de FRANCISCO RAMALHO JR. Com Marlene França e Maria Fernanda.

“LAMARCA “- 1994 – Direção de SERGIO REZENDE, com Paulo Betti e Carla Camurati..

“LANCE MAIOR” – 1968 – Direção de SILVIO BACK, com Reginaldo Farias e Regina Duarte.

“ZUZU ANGEL” – 1996 – Direção de SÉRGIO REZENDE, com Patrícia Pilar, Daniel Oliveira e Regina Alves.

“BATISMO DE SANGUE” 2.007 – Direção de HELVECIO RATTON, com Cássio Gabus Mendes, Marku Ribas, Daniel de Oliveira e Caio Blat.

“O QUE É ISTO COMPANHEIRO” – 1997 – Direção de BRUNO BARRETO, com Fernanda Montenegro e Pedro Cardoso.

“OLGA” – 2.004 – Direção de JAYME MONJARDIM, com Camila Morgado, Caco Ciocler, José Dumont e Fernanda Montenegro.

“QUE BOM QUE TE VER VIVA” – 1998 – Direção de LÚCIA MURAT, com Irene Revache

“EM NOME DA LEI” – 2.013 – Direção de SERGIO REZENDE, com Mateus Solano, Chico Diaz e Paola de Oliveira.

“QUASE DOIS IRMÃOS” – 1995 – Direção de LUCIA MURAT, com Caco Ciocler e Flavia Bucarmarqui.

“TRAGO COMIGO” – 2.013 – Direção de TATÁ AMARAL, com Carlos Alberto Ricelli, Selma Egrei, e Felipe Rocha

“A MEMÓRIA EM QUE ME CONTAM” – 2.013 – Direção de LÚCIA MURAD, Irene Ravache e Franco Nero.

“TOCAIA NO ASFALTO” – 1962 – Direção de ROBERTO PIRES, com Agildo Ribeiro, Geraldo Del Rey, Antonio Pitanga e Arassary de Oliveira.

“PRATA PALOMARES” – 1992 – Direção de ANDRE FARIA, com Maria Fernanda

“O SONHO NÃO ACABOU” – 1981 – Direção de SERGIO REZENDE, com Luiz Fernando Cruz.

“ARAGUAIA-A CONSPIRAÇÃO DO SILÊNCIO” – 2.004 – Direção de RONALDO DUQUE, com Norton Nascimento, Françoise Fourton e Danton Mello.

“ANOS REBELDES” – 1992 – Direção de DENIS CARVALHO, com Malu Msder, Claudia Ahreu e Marcelo Serrano.

“DOCUMENTÁRIOS”

Dentre dezenas de filmes documentários, sobre os regimes de força, os melhores que foram realizados, são seguintes, que merecem serem vistos e conhecidos:

“MARINGELLA” – 2.004 – Direção de ISA GRIPUM FERRAZ, “ASSASSINOS LEGAIS”, “VINTE E QUATRO ANOS DE LUTAS”, “ANOS DE CHUMBO”, “PATRI REDIMIDA”, “EM NOME DA SEGURANÇA”, “O VELHO”, “ A REVOLUÇÃO DE TRINTA”, “JANGO; ABRINDO UM MAIOR DESTAQUE PARA O DOCUMENTÁRIO, QUE LEVA O TÍTULO DE “SETENTA”, do ano de 2.013, com direção da cineasta EMILIA DA SILVEIRA, onde este filme mostra o depoimento de várias pessoas que participaram do rapto do embaixador da Suécia, que aconteceu em 7 de dezembro de 1970, sendo este que foi considerado o mais longo seqüestro político, que aconteceu no Brasil, onde neste filme vemos cenas dos araxaense, sra Carmela Pezutti, junto com seus dois filhos Murilo e Ângelo, que apareceram em cenas filmadas na Praça Governador Valadares, aqui em Araxá.

“EPILOGO”

 

Estes, para mim, foram os melhores filmes, que retrataram, com grande fidelidade, aqueles conturbados e cinzentos momentos da nossa história, e quem quiser conhecê-los, é so procurar e assisti-los, pois tenho certeza de que todos irão gostar muito.

(FIM)

Francisco José Géa