Destaque »

Ganso empata com Valeriodoce e continua no G4

24 de setembro de 2018 – 19:49 |

Em partida válida pela décima rodada da primeira fase do Campeonato Mineiro da Segunda Divisão, versão 2018, chancelado pela Federação Mineira de Futebol, na manhã do último  domingo, dia 23 de setembro, o time do …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » +, Notícias

Aracely nega envolvimento no esquema que reelegeu Miguel Júnior e diz que vai se defender com a verdade

IMG_0955Em entrevista coletiva no final da tarde de ontem, 28, o prefeito de Araxá, Aracely de Paula, do PR,  comentou a ação de improbidade administrativa movida contra ele pelo Ministério Público de Araxá no esquema de corrupção de compra de apoio político na Câmara Municipal, na reeleição do ex-vereador Miguel Júnior para presidente do Legislativo.  Aracely  afirmou: “eu nunca conversei com o vereador José Domingos Vaz, do PDT, até então porque ele é parente do ex-prefeito Jeová. O único vereador com quem eu falei foi o Garrado, que é do meu partido, o PR, e mesmo assim ele se absteve na eleição para presidência da Câmara”. A respeito dos áudios divulgados em redes sociais onde há várias conversas telefônicas entre Aracely e Miguel, ele afirmou: “esses áudios do grampo telefônico foram usados de forma maldosa para denegrir a imagem do prefeito. Se trata apenas de uma conversa minha com o presidente da Câmara, onde ele pediu meu apoio. Já a frase ‘é pão ou é pau’ é um jargão político, uma brincadeira, onde eu quis dizer apenas que ele (Garrado) era meu amigo agora. Essas conversas institucionais entre prefeito e presidente da Câmara são naturais.” Sobre o promotor de Justiça Marcus Paulo Queiroz Macêdo, Aracely disse: “eu não tenho nada contra o promotor, mas  não é só com o prefeito de Araxá que ele faz isso. É um estilo dele de atuar, que eu respeito. Eu não faria isso, mas ele fez.” Sobre sua defesa na petição inicial de improbidade administrativa encaminhada pelo Ministério Público, Aracely afirma: “Eu vou me defender na verdade. Não estou negando os áudios divulgados. Eu não sei o que tem de criminoso numa conversa em que as ações não foram consumadas”.