Destaque »

Cientistas descobrem Cobras que voam 24 metros

12 de julho de 2020 – 1:27 |

As chamadas cobras voadoras são capazes de ondular seus corpos enquanto deslizam pelo ar, e esses movimentos únicos permitem que elas voem, descobriram os cientistas. O animal, chamado de Chrysopelea paradisi, também conhecido como “a …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » Destaque

MBAC apresenta projeto de exploração de terras raras em Araxá

O presidente da empresa canadense Antenor Silva destacou que o investimento em terras-raras é altamente viável.

A empresa canadense MBAC Fertilizantes apresentou o seu projeto de exploração de terras raras em, Araxá nesta terça-feira, 7, no auditório da Ampla. A solenidade contou com as presenças do prefeito Jeová Moreira da Costa, da secretária municipal de Desenvolvimento Econômico, Turismo e Parcerias, Alda Sandra Barbosa Marques, representantes da imprensa e do empresariado local. O presidente da MBAC, Antenor Silva contou um pouco da atuação da empresa aqui no Brasil e garantiu que o investimento de terras-raras é altamente viável.

O diretor presidente Antenor Silva apresentou a MBAC, mostrou sua importância no mercado de fertilizantes, seus objetivos e  falou do grande interesse de explorar as Terras Raras em Araxá, experiente e conhecedor do setor de mineração, ele foi um dos responsáveis pela implantação das plantas da Bunge até então Serrana por volta dos anos 1960. Com o objetivo de ampliar a produção de fertilizante da MBAC, a empresa adquiriu o direito de 100% do Projeto Araxá, com jazidas de terras raras, nióbio e fosfato em Minas Gerais que está situada entre a CBMM e Vale Fertilizantes. “Nós estamos fazendo as perfurações, colhendo amostras, essa pesquisa deve terminar agora no final de março a primeira fase e devemos ter todos os resultados no primeiro semestre do ano ainda”, colocou o presidente.

A viabilização do  Projeto de Terras Raras vem de encontro com a crise provocada pela China detentora de 97% deste minério no mercado ela limitou as exportações elevando o custo do mineiro no  mercado. Diante das pesquisas já realizadas Araxá  tem um potencial muito bom, dos 17 elementos  químicos que fazem parte das Terras Raras entre 10  a 12 elementos se encontram no solo araxaense. As Terras Raras  faz parte da industria química fina que se trabalha com poucas quantidades. O mercado mundial consome hoje 130 mil toneladas ano. O desenvolvimento tecnológico  tem tornado  o  mercado cada dia mais dependente do  mercado de terras raras.

Quanto aos riscos ambientais para implantação da  usina de processamento dos minérios ele ressalta que a movimentação de terra é pequena proporcionalmente em relação a exploração do fosfato e que o produto pode ser retirado da mina e beneficiado em local distante até mesmo da área urbana utilizando alta tecnologia de exploração.

O presidente ainda salientou que empresas de todo o mundo trabalham nessa mesma ação como a MBAC nas terras raras. “A maneira de como você faz é proteger o solo para que não haja contaminação do solo na área que você esteja trabalhando. Eventualmente quando você trabalha com pequenas quantidades, quer dizer, não há a necessidade da existência de grandes áreas para deposição de rejeitos”, comentou.

A tecnologia de utilização de terra raras é dominada  por muito  poucas empresas a partir 2014 a patente de uma desta empresas vence e  o  mercado poderá  desenvolver

“A Mineração de Terras Raras é pequena para se ter uma idéia precisaremos  utilizar   apenas 2 caminhoes para estração do minério e para seu processamento a usina é grande mas altamente  tecnologia de baixo impacto ambiental.

Terras-raras é o nome que se dá a um conjunto de 17 elementos químicos muito parecidos, mas que diferem no número de elétrons em uma das camadas da eletrosfera do átomo. São agrupadas em uma família na tabela periódica porque ocorrem juntos na natureza e são quimicamente muito parecidos. Também têm como característica comum os nomes complicados: lantânio, neodímio, cério, praseodímio, promécio, samário, európio, gadolínio, térbio, disprósio, hólmio, érbio, túlio, itérbio, escândio e lutécio.

A maioria das pessoas não conhece os nomes, mas provavelmente já teve contato com algum dos diversos produtos que levam esses minerais. “Não tem uma aplicação só, são várias aplicações, são dezenas de aplicações, refino de petróleo, fábrica de vidro, fábrica de imas de magnetos, fabricação de turbinas eólicas, lâmpadas led, vidros, são dezenas e dezenas de aplicações”, colocou Antenor.

A Prefeitura de Araxá terá uma resposta definitiva sobre a possibilidade de investimentos da MBAC Fertilizantes até no mês de dezembro.

O  prefeito Dr.  Jeova aproveitou a  oportunidade e lançou o Distrito Industrial II local o qual será  instalada a  usina  de processamento de terras raras, “ a localização não  posso falar neste momento para evitar especulações mas na próxima semana comunico o local onde será implantada o Distrito Industrial II”, acrescentou o prefeito.

MBAC

A MBAC Fertilizantes foi criada para tornar-se uma importante produtora integrada de fertilizantes fosfatados e potássicos nos mercados brasileiros e latino-americanos. A companhia possui uma equipe experiente com trajetória profissional nas áreas de operações para negócios de fertilizantes, gestão, marketing e finanças dentro do Brasil e no exterior.

A empresa tem mais de 100 milhões de acionistas e suas ações, hoje, são avaliadas em aproximadamente U$ 300 milhões. Ela tem 600 funcionários aqui no Brasil e, apenas, oito no Canadá.