Destaque »

5° Fase da Operação Malebolge cumpre 40 mandados de busca e prende uma pessoa em Araxá

23 de outubro de 2020 – 14:58 |

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) realizou, hoje (23), a 5ª fase da operação Malebolge. Os policiais civis lotados na Ciretran de Araxá cumpriram 40 mandados de busca e apreensão e 1 mandado de …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » +, Notícias

Coluna Musical do João Batista de Freitas

Karnak e a música Juvenar

 

 

André Abujamra e a banda Karnak

 

Você já deve ter ouvido uma música da banda Karnak chamada Juvenar. Fala de uma vontade de quem mora na cidade grande de ir para o campo, sem poluição e viver uma vida simples no meio de gado, galinhas, carroças e um córrego. Simples, mas bonita. O que você talvez não saiba é que André Abujamra e Carneiro Sandalo fizeram apenas a letra, já que a música – muito bem tocada, por sinal – é baseada na composição clássica “Canon in D Maior”, produzida por volta do ano 1700 pelo compositor alemão, de estilo barroco, Johann Pachelbel.

A banda paulista Karnak foi fundada por André Abujamra, depois do término do duo ‘Os Mulheres Negras’, que ele formava com seu amigo Maurício Pereira, e funde pop, rock e outros gêneros. As apresentações ao vivo do Karnak têm um viés teatral, apresentando sempre esquetes e performances cômicas de improviso, além de figurinos diferenciados, frequentemente utilizando-se de chapéus chamativos, túnicas coloridas etc. Na parte musical, se destaca a habilidade e improvisação de seus instrumentistas.

O nome da banda é o mesmo de um pequeno vilarejo localizado no Egito, local de templos antigos.

Ao final de Juvenar, André Abujamra, o vocalista da banda, declama alguns versos em inglês, mas com forte sotaque – eu até pensei que ele estivesse declamando em alemão. Mas não é. Abaixo segue a tradução da parte falada:

‘Vocês que fazem parte do Karnak
E temem a fumaça do motor
Percebam que o melhor da vida
É comida, é saúde e é amor

Você tem que estar bem consigo próprio
Pra isso não importa o lugar
Pode ser até debaixo desta ponte
Ou num palácio lindo em Madagascar

Pode ser num planeta bem distante
Ou na boleia desse caminhão
Tá frio, tá tempestade, tá chovendo
Muito mais triste é a chuva do nosso coração’

 

E, se isto não bastasse, ao final ele ainda faz um ‘insert’ da música Admirável Mundo Novo, de Zé Ramalho. Quando você acha que acabou, surge um bonito – e humorístico –  solo instrumental maravilhoso.

Se você quiser ouvir a música original de tem mais de 340 anos, acesse o endereço https://www.youtube.com/watch?v=NlprozGcs80.