Destaque »

CBMM apresenta nova marca do projeto Cientistas do Cerrado

20 de setembro de 2020 – 21:59 |

Neste mês, em que é celebrado o Dia Nacional do Cerrado, a CBMM reforça seu compromisso com o meio ambiente, a sustentabilidade e o futuro por meio de diferentes iniciativas. Uma delas é o lançamento …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » +, Destaque

Pesquisadores mineiros criam solução à base de nióbio que desativa o Covid-19

Os testes do composto foram realizados com o Sars-CoV-2 em um laboratório de nível de biossegurança NB-3 (que permite manipulação de vírus causadores de doenças graves). A solução foi registrada pela startup Nanonib. Segundo os pesquisadores, ela é eficaz contra diversos microrganismos, como vírus, bactérias e fungos. Também pode ser usado nas mãos porque não causa reações adversas, como ressecamento da pele. Chamado comercialmente de INNIB-41, o composto pertence à família dos polioxoniobatos. “Sintetizamos uma forma nova de polioxoniobato, com capacidade de gerar espécies de oxigênio que desativam de forma eficiente uma elevada carga do coronavírus. Essas espécies de oxigênio são liberadas no meio ao se deparar com uma bactéria ou um vírus”, diz Luiz Carlos Oliveira, professor do Departamento de Química e líder da pesquisa. Desenvolvido com apoio de investidores privados, o produto deve começar a ser comercializado nos próximos meses. Oliveira afirma que ele não é nocivo à saúde ou ao ambiente e terá um preço acessível. “Vamos criar soluções contendo moléculas inovadoras de nióbio, de baixo custo de produção e versáteis, já que também poderão ser inseridas em produtos de limpeza e cosméticos disponíveis no mercado”, diz. Minas Gerais tem a maior reserva de nióbio do mundo, na cidade de Araxá, onde estima-se haver 842 milhões de toneladas do metal. A mineradora CBMM é a empresa responsável pela extração, beneficiamento e comercialização do nióbio de Araxá para todo o planeta. Cerca de 98,4% do nióbio do mundo está no Brasil. “As tecnologias desenvolvidas com o nióbio têm alto grau de ineditismo e grande potencial de geração de valor e podem ser de interesse estratégico e econômico”, diz o professor.