Destaque »

Prefeitura de Araxá lança nova logomarca

22 de janeiro de 2021 – 17:16 |

A Prefeitura Municipal de Araxá definiu sua nova logomarca com a proposta de design moderno aliada com os valores históricos da cidade presentes no Brasão Oficial – os Peixes representando as águas, a Árvore dos …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » +

Com 255 medalhas, COB aprova resultado nos Jogos Sul-Americanos

Santiago,(AE) – Na primeira competição poliesportiva do ciclo para a Olimpíada do Rio, em 2016, o Brasil obteve um resultado positivo na disputa encerrada na terça-feira em Santiago, no Chile. E, pela primeira vez na história, sagrou-se campeão dos Jogos Sul-Americanos fora de seu território – a outra conquista brasileira foi em 2002, quando o torneio foi disputado em Belém, Curitiba, São Paulo e Rio.

Com 109 de ouro, 68 de prata e 78 de bronze, o Brasil encerrou nesta terça-feira sua participação em Santiago e ficou com a liderança do quadro de medalhas, com um total de 255. A Colômbia terminou em segundo lugar e a Argentina em terceiro, com a Venezuela ficando na sequência. Os anfitriões acabaram na quinta posição, enquanto apenas a Guiana não subiu ao pódio entre os 14 participantes.

Para o chefe da missão brasileira nos Jogos Sul-Americanos, o ex-jogador de vôlei Bernard Rajzman, o saldo da competição mostra que o trabalho olímpico do Brasil para 2016 está no caminho certo. “O resultado final comprova a força do Brasil no continente sul-americano. Iniciamos muito bem a nossa escalada rumo aos Jogos Olímpicos do Rio em 2016”, afirmou o agora dirigente.

Na última edição do evento, há quatro anos, em Medellín (Colômbia), o número de medalhas conquistadas pelos brasileiros e pelos outros países foi bastante superior. Com o objetivo de adequar o programa sul-americano ao olímpico, a organização reduziu o total de 480 provas disputadas em 2010 para 350. No fim, só 316 medalhas de ouro foram distribuídas, uma vez que em diversas provas não houve o número mínimo de inscritos.

O diretor executivo de esportes do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Marcus Vinícius Freire, valoriza essa mudança. “Essa adequação favorece uma análise mais realista do estágio olímpico dos países participantes. E nesse aspecto, o resultado do Brasil em Santiago mostra que o trabalho dos últimos quatro anos tem correspondido ao planejamento feito para o Rio/2016”, explicou.

A competição no Chile também serviu como passaporte para os Jogos Pan-Americanos de Toronto, em 2015, para algumas modalidades, como as equipes de handebol (feminina e masculina), de hipismo de adestramento, de hipismo de saltos e de rúgbi sevens (feminina). No pentatlo moderno, Yane Marques e Felipe Nascimento conseguiram as vagas, assim como Gilda Oliveira (até 69kg) e Aline Ferreira (até 75kg) na luta livre. Entre os esportes que não fazem parte do programa olímpico, a dupla masculina do boliche e quatro categorias do caratê também estarão no Canadá.

O atletismo e natação estão entre os esportes que mais somaram medalhas ao Brasil em Santiago – são também os que mais têm provas. O primeiro garantiu 41 conquistas e ainda obteve o índice no revezamento masculino 4×100 metros para o Mundial de Revezamento das Bahamas, em maio. Já a modalidade aquática levou 37. Vale destacar ainda o desempenho de Marcus Vinícius D’Almeida no tiro com arco: o jovem de apenas 16 anos alcançou 1 342 pontos e superou o recorde brasileiro.