Destaque »

Comandante da Capitania Fluvial de Minas Gerais visita Araxá

20 de fevereiro de 2020 – 19:24 |

A Capitania Fluvial de Minas Gerais, com sede em Belo Horizonte desde dezembro de 2018, está ampliando sua área de atuação e deve instalar unidades no Triângulo Mineiro e região do Rio Paranaíba. No …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » +, Cultura

Coluna do Francelino Cardoso

19 10 04  MAIS UMA GOSTOSA PESCARIA, EM GOIÁS

Mês de outubro, em Minas um  frio danado, porém estávamos passando férias em Goiás, bem ao norte quase divisa com Tocantins e lá o tempo estava ótimo.

Fazíamos uma ótima pescaria, como a muito tempo não via tantos peixes assim. Eram cacharas, pirararas, piaus e mandis; Benedito muito animado, dizia que parecia que estávamos benzidos, pois era muita sorte. Às cinco da matina, já estava de pé para uma nova jornada, íamos pescar ali pertinho das barracas mesmo, pois sentíamos que haveria mudança de tempo, para chuva. Pescamos até ás onze horas e fomos satisfeitos, pelo resultado, para as barracas, pois pescamos lindos exemplares e principalmente uma monstrenga pirararas. Enquanto aguardávamos o reforçado almoço feito pelo nosso grande cozinheiro Benedito, bebericávamos uma gostosa pinguinha, me presenteada pelo meu irmão Tarcísio, das boas mesmo! Neste dia, o assunto eram os causos de pescaria, aqueles de entortar o cano. Sabíamos que não eram mentiras, porém muita gente poderia duvidar principalmente os de onça, porque nossa turminha é sem duvida, muito corajosa. As piadinhas então, cada uma de rir dois dias seguidos. Isto meus amigos é a rotina de pescaria, quando na barraca o papo é de deixar saudades. Sole, nosso guia então contava causos muito emocionantes, sobre caçada de onça feita por ele e seus irmãos. Até pegar onça pelo rabo, pois a turminha era valente mesmo e não tinham medo de nada. As piadas então eram de matar de rir, principalmente as de Benedito que sempre, queixava da sogra, sempre falando, jogando praga na diaba, que não lhe dava sossego. Sole , reclamando do vagabundo do cunhado, não faz nada e além do mais, vive fazendo vale com a mulher dele. Com uns trocados no bolso, vai engrossar o faturamento, do Zé do boteco, outro pilantra, segundo Sole. Era um verdadeiro teatro, que matava a gente de rir; esta rodinha era todos os dias antes do almoço e jantar. Muito raro pescarmos nas tardes e noite, pois apesar do tempo ali o calor era de rachar. Foram dias maravilhosos, que até hoje me dá uma saudade danada, daqueles companheiros e dos bons momentos que passamos juntos em…

MAIS UMA GOSTOSA PESCARIA, EM GOIÁS…

francelinocardosojr@hotmail.com