Destaque »

Catarina enfrenta ventos fortes, mar agitado e baixa temperatura da água na travessia do Canal da Mancha

13 de setembro de 2019 – 18:25 |

Por Maurício de Castro Rosa
O ser humano é o único animal que arrisca sua vida sem ser para comer ou se salvar de um predador. Ele arrisca a vida por adrenalina, por emoções, por desafios, …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » +, Diversos

Coluna do Francelino Cardoso

19 08 02 PASSEIOS INESQUECIVEIS

 

A aurora iniciava com seus raios multicores, anunciando a chegada do rei do universo. Aos poucos, raios coloridos vinham clareando a escuridão da noite, o sol apontando atrás na linda mata, anunciava o nascer de um novo dia.

A mata sorvia as últimas gotículas do sereno, caido durante a madrugada; o lindo cedro se destacava das demais árvores, devido sua idade, e tamanho descomunal;  segundo diziam teria mais de quinhentos anos. Como era bonita aquela árvore! Tudo nos impressionava, desde o tamanho das árvores e também os ramos que as protegiam, naquele emaranhado de arbustos, nos impedindo de entrar mata adentro. Finalmente, depois de muito tempo para transpormos os obstáculos, como galhos caídos obstruindo a pequena estradinha, chegamos na linda praia. Era um espaço muito grande, fazendo a divisa entre o rio e a mata. Armamos as barracas aproveitando a sombra de várias árvores já na praia, pois aquela proteção nos ajudaria a vencer os quase 40 graus de calor.. O pesqueiro era excelente, já que o ingá, vinha bem pertinho do tanque e além disto, suas favas seguravam ali os pequenos e grandes peixes. Sempre algum animal ali permanecia para matar sua sede e as vezes outros ali passavam correndo de algum perseguidor.  As lontras e ariranhas, vinham importunar nossa pescaria, pois nadavam e mergulhavam no tanque caçando sua boia e a peixada, sumia por algum tempo. Mas tudo aquilo era interessante e engraçado. Eram os macacos que dali não saiam, porque servíamos-lhes bolachas, bananas e pão. Os miquinhos então vinham até a porta das barracas e alguns chegavam a entrar. Tudo fazia parte de nossa admiração, por aquele ambiente tão saudável. As águas saídas de uma corredeira vinham descansar naquela volta do rio, formando um grande e fundo tanque, moradia dos lindos exemplares de peixes. Ali fazíamos a nossa pescada e que pescada, pois lindos exemplares eram pegos seguidamente. Tucunarés, piranhas, trairões, até grandes cacharas, foram por nós fisgados naqueles gostosos dias. Porém as pequenas férias chegaram ao fim,  ficando em nosso currículo de pescadores, mais um dos

                                            PASSEIOS INESQUECIVEIS

Francelinocardosojr@hotmail.com