Destaque »

Comandante da Capitania Fluvial de Minas Gerais visita Araxá

20 de fevereiro de 2020 – 19:24 |

A Capitania Fluvial de Minas Gerais, com sede em Belo Horizonte desde dezembro de 2018, está ampliando sua área de atuação e deve instalar unidades no Triângulo Mineiro e região do Rio Paranaíba. No …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » +, Notícias

CBMM é parceira do primeiro laboratório-fábrica de ímãs de terras-raras do Brasil

Minas Gerais protagoniza a implantação do primeiro laboratório-fábrica de ímãs de terras-raras no Brasil. A instalação do LabFabITR avança no município de Lagoa Santa, Região Metropolitana de Belo Horizonte. A iniciativa do Governo de Minas Gerais e da Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge) representa um avanço na agregação de valor às reservas de terras-raras existentes no estado e um passo decisivo para o fomento de toda cadeia produtiva de motores e geradores elétricos de alta eficiência. O investimento da Codemge, em obra civil e bens de capital, é de aproximadamente R$ 100 milhões. O laboratório-fábrica foi projetado para iniciar com capacidade anual de 23 toneladas, devendo alcançar a marca de 100 toneladas por ano de ímãs em até dez anos de operação. “Os imãs de terras-raras são componentes muito importantes para a indústria do futuro, para a produção de carros elétricos, drones, elevadores e motores de alta performance, por exemplo. É um grande avanço, já que eles, hoje, não são fabricados no Brasil. Eles são importados – cerca de 1.200 toneladas por ano – para serem consumidos no país”, destaca o presidente da Codemge, Marco Antônio Castello Branco. Trata-se de um  projeto inovador no Brasil e estamos usando conhecimento tecnológico e científico dos próprios brasileiros. Com isso, queremos atrair as indústrias para o ecossistema de ímãs de terras-araras. O projeto será implantado em um terreno de propriedade da Codemge, com área de 9.645 metros quadrados. A obra civil tem previsão de conclusão ainda no primeiro semestre de 2019. Já o start-up da planta está planejado para outubro de 2019. O projeto pioneiro conta com o apoio da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), do Centro de Desenvolvimento de Tecnologia Nuclear (CDTN), da Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras (Certi) e da Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM), que integram os parceiros na fase de implantação e operacionalização do LabFabITR.