Destaque »

Malvinas e Villa Nova saem na frente na semifinal do Amador

19 de novembro de 2019 – 11:34 |

Começaram no último domingo, dia 17 de novembro de 2019,  no estádio Fausto Alvim, as semifinais do Campeonato Amador de Araxá, versão 2019, promovido pela Liga Araxaense de Desportos. Na primeira partida da manhã …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » Destaque, Política

Romeu Zema será empossado no dia 10 de janeiro

Já diplomado, no último dia 19 de dezembro pela  Justiça Eleitoral, o governador eleito de Minas Gerais, Romeu Zema Neto do Partido Novo, começa a trabalhar, dia primeiro de janeiro de 2019, mas a posse dele só vai acontecer no próximo dia 10 de janeiro.  Diferentemente da tradição mineira, segundo a qual, após a posse na Assembleia Legislativa, os novos governadores recebem a transmissão do cargo em solenidade no Palácio da Liberdade, em 10 de janeiro de 2019, Romeu Zema (Novo) receberá de Fernando Pimentel (PT) o Grande Colar da Inconfidência na própria casa legislativa. A posse de Romeu Zema e de seu vice, Paulo Brant (Novo) se iniciará às 9h, em reunião solene na Assembleia Legislativa. Às 11 horas, foi programada uma solenidade de início da nova gestão na Cidade Administrativa. E na sequência, Zema seguirá para Brasília, onde acompanhará a posse do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) às 15h no Congresso Nacional.   E o futuro governador do estado, Romeu Zema, o único eleito pelo Novo, está cumprindo suas promessas. Para começar, reduziu as secretarias de 21 para 11, o que é importante não só para diminuir despesas, como para possibilitar ao governador ter condições de comandar de fato o governo. Segundo Romeu, “Nenhum gestor consegue lidar direta e rotineiramente com mais de 10 ou no máximo 12 subordinados, e o número excessivo de secretarias, como em Brasília, acaba criando secretários de primeira classe (que estão sempre com o governador), de segunda (que despacham de vez em quando com ele) e de terceira, os que passam toda a gestão sem entrar no gabinete do chefe. Além disso, secretarias demais levam à criação de feudos no governo”