Destaque »

Câmara realiza 2º Fórum Comunitário sobre exames para CNH

22 de julho de 2019 – 15:40 |

A Câmara Municipal realizou, na semana passada (17/07), o segundo Fórum Comunitário para discutir os processos de exames para CNH. O encontro, solicitado pelo Vereador Pastor Claudenir (PP), foi dirigido pelo Vereador Hudson Fiuza (PSL). …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » Destaque, Política

Romeu Zema será empossado no dia 10 de janeiro

Já diplomado, no último dia 19 de dezembro pela  Justiça Eleitoral, o governador eleito de Minas Gerais, Romeu Zema Neto do Partido Novo, começa a trabalhar, dia primeiro de janeiro de 2019, mas a posse dele só vai acontecer no próximo dia 10 de janeiro.  Diferentemente da tradição mineira, segundo a qual, após a posse na Assembleia Legislativa, os novos governadores recebem a transmissão do cargo em solenidade no Palácio da Liberdade, em 10 de janeiro de 2019, Romeu Zema (Novo) receberá de Fernando Pimentel (PT) o Grande Colar da Inconfidência na própria casa legislativa. A posse de Romeu Zema e de seu vice, Paulo Brant (Novo) se iniciará às 9h, em reunião solene na Assembleia Legislativa. Às 11 horas, foi programada uma solenidade de início da nova gestão na Cidade Administrativa. E na sequência, Zema seguirá para Brasília, onde acompanhará a posse do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) às 15h no Congresso Nacional.   E o futuro governador do estado, Romeu Zema, o único eleito pelo Novo, está cumprindo suas promessas. Para começar, reduziu as secretarias de 21 para 11, o que é importante não só para diminuir despesas, como para possibilitar ao governador ter condições de comandar de fato o governo. Segundo Romeu, “Nenhum gestor consegue lidar direta e rotineiramente com mais de 10 ou no máximo 12 subordinados, e o número excessivo de secretarias, como em Brasília, acaba criando secretários de primeira classe (que estão sempre com o governador), de segunda (que despacham de vez em quando com ele) e de terceira, os que passam toda a gestão sem entrar no gabinete do chefe. Além disso, secretarias demais levam à criação de feudos no governo”