Destaque »

Presidente e novo Diretor Industrial da CBMM destacam importância do relacionamento com a cidade

9 de dezembro de 2017 – 11:59 |

Na noite da última terça-feira, dia 05 de dezembro de 2017, a direção da empresa CBMM, se reuniu com profissionais da imprensa araxaense num encontro tradicional de confraternização de fim de ano, no salão …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » Notícias

Araxá entre as quatro melhores cidades para se investir em MG e na 71ª colocação no país

Um estudo da consultoria Urban Systems, feito com exclusividade para a revista Exame, identificou as cidades com mais de 100 mil habitantes com melhores condições para realização de negócios.  O levantamento, publicado na última semana, coloca Araxá entre os quatro melhores municípios para se investir em Minas Gerais e na 71ª colocação no país entre as 100 cidades mais promissoras para investimentos. Para elaborar o ranking das melhores cidades do Brasil para se fazer negócio, foram analisados 28 indicadores. Cada indicador, considerado aspecto essencial para a evolução dos negócios em uma cidade, tem um peso conforme sua importância na atualidade, totalizando 27 pontos. As melhores cidades do Brasil para os negócios apresentam indicadores econômicos, sociais, capital humano e infraestrutura. A cidade com melhor pontuação no ranking foi São Paulo (SP) com 15,29 pontos, seguido por Vitória (ES) com 14,25 e Porto Alegre (RS) com 13.55. Em Minas Gerais, nove cidades apareceram no estudo. Belo Horizonte com 12,47 pontos (9ª), Uberlândia com 10,55 pontos (28ª), Juiz de Fora com 10.04 pontos (43ª), Araxá com 9,55 pontos (71ª), Uberaba com 9,54 pontos (73ª), Varginha com 9,40 (80ª), Pouso Alegre com 9,33 pontos (83ª), Lavras com 9,32 pontos (86ª) e Poços de Caldas com 9,24 pontos (92ª).

Indicadores

Dentre os indicadores considerados pelo estudo de 2017, estão os aspectos de Sociodemografia (crescimento populacional, população economicamente ativa, percentual de chefes de família da classe A); Econômico (depósitos, crescimento interno bruto, crescimento de empregos formais, renda, resultados consolidados de finanças públicas, dentre outros); Saúde (total de leitos por habitantes, despesas com saúde, beneficiários de convênios médicos);  Educação (percentual de trabalhadores com curso superior, matriculas no curso superior em relação à população economicamente ativa, percentual de docentes no ensino fundamental com curso superior);  Financeiro (gestão fiscal,  agências bancárias por número de habitantes); Transporte (crescimento da frota de automóveis, destinos do principal aeroporto, linhas rodoviárias) e Infraestrutura (conexões de banda larga, índices de perdas de distribuição de água, economias atingidas por paralisações).