Destaque »

Volta do trem de passageiros inclui trajeto entre Araxá, Ibiá e Uberaba

3 de abril de 2020 – 20:27 |

A Secretaria de Estado de Infraestrutura e Mobilidade (Seinfra) realizou,  1º Workshop do Plano Estratégico Ferroviário de Minas Gerais (PEF), para apresentar o levantamento e análise preliminar dos principais projetos que serão priorizados …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » Esporte

Bandeira olímpica chega ao Rio de Janeiro para os Jogos de 2016

Candidato à reeleição, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), aproveitou nesta segunda-feira a chegada de Londres com a bandeira olímpica para apresentar um vídeo sobre a cidade sede dos Jogos de 2016, com música composta pelo sambista Arlindo Cruz. O artista já declarou apoio à sua candidatura. “A partir de agora, passa a ser a canção oficial da cidade”, disse Paes.

O prefeito desceu a escada do Airbus A330 da Air France empunhando a bandeira de 2,22 metros por 1,54 metro ao lado do presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman, e seguido por quatro atletas olímpicos, pelo governador Sérgio Cabral Filho (PMDB) e seu vice, Luiz Fernando Pezão (PMDB). A entrevista do prefeito foi marcada por elogios ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a Nuzman e à presidente Dilma Rousseff, que receberá nesta terça Paes e Cabral em Brasília. “Se não fosse a liderança e a competência do Nuzman, não estaríamos aqui”, disse Paes. “Lula foi a peça mais importante, junto com o Nuzman”.

Do lado de fora do salão da Infraero onde foi realizada a entrevista, houve protestos de integrantes do Comitê Popular da Copa e das Olimpíadas contra remoções promovidas em favelas. Paes criticou “politiqueiros de plantão” e disse que a única desapropriação relacionada à Olimpíada de 2016 será a da favela Vila Autódromo, em Jacarepaguá, na zona oeste, que fica no terreno do futuro Parque Olímpico, e que os moradores “só sairão com muita conversa”.

O prefeito afirmou que o Rio de Janeiro terá o “maior legado da história dos Jogos”. Sobre o andamento das obras, não foi tão otimista. “Não estamos em posição confortável, mas estamos dentro do prazo”. Segundo ele, as grandes obras, com duração prevista de mais de 3 anos, já estão em execução. No entanto, voltou a afirmar que não é possível anunciar hoje o orçamento total dos Jogos de 2016.

Em discurso, o velejador Robert Scheidt agradeceu o apoio do comitê olímpico, considerou o resultado em Londres positivo e disse que dá para melhorar até 2016. “A torcida ajudou os ingleses a disputar em casa. Vamos ganhar com isso”. Depois, em entrevista, disse que não será possível formar novos atletas até 2016.

“A geração de 2016 é a geração de atletas já formados, que estão com 18 ou 20 anos. Tem que polir. Quatro anos parece muito, mas para o esporte não é muita coisa”, disse o iatista.

O boxeador Esquiva Falcão destacou que os atletas que não têm apoio oficial devem levantar a cabeça. “Há pouco tempo ninguém conhecia a gente. Foi superação, garra e vontade de vencer. Vamos treinar e focar no ouro”, disse o capixaba, que lamentou a falta de um centro de treinamento específico para boxe. “Com isso (centro de treinamento), o boxe vai evoluir bastante”. Além da manifestação contra remoções em favelas, policiais federais em greve também protestavam, ao fim da cerimônia, do lado de fora do prédio da Infraero.

13/08/2012 20:10 – CN/ES/OLIMPÍADA/RIO-2016/CHEGADA BANDEIRA OLÍMPICA

Bandeira olímpica chega ao Rio de Janeiro para os Jogos de 2016

Por Felipe Werneck

Rio, 13 (AE) – Candidato à reeleição, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), aproveitou nesta segunda-feira a chegada de Londres com a bandeira olímpica para apresentar um vídeo sobre a cidade sede dos Jogos de 2016, com música composta pelo sambista Arlindo Cruz. O artista já declarou apoio à sua candidatura. “A partir de agora, passa a ser a canção oficial da cidade”, disse Paes.

O prefeito desceu a escada do Airbus A330 da Air France empunhando a bandeira de 2,22 metros por 1,54 metro ao lado do presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman, e seguido por quatro atletas olímpicos, pelo governador Sérgio Cabral Filho (PMDB) e seu vice, Luiz Fernando Pezão (PMDB). A entrevista do prefeito foi marcada por elogios ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a Nuzman e à presidente Dilma Rousseff, que receberá nesta terça Paes e Cabral em Brasília. “Se não fosse a liderança e a competência do Nuzman, não estaríamos aqui”, disse Paes. “Lula foi a peça mais importante, junto com o Nuzman”.

Do lado de fora do salão da Infraero onde foi realizada a entrevista, houve protestos de integrantes do Comitê Popular da Copa e das Olimpíadas contra remoções promovidas em favelas. Paes criticou “politiqueiros de plantão” e disse que a única desapropriação relacionada à Olimpíada de 2016 será a da favela Vila Autódromo, em Jacarepaguá, na zona oeste, que fica no terreno do futuro Parque Olímpico, e que os moradores “só sairão com muita conversa”.

O prefeito afirmou que o Rio de Janeiro terá o “maior legado da história dos Jogos”. Sobre o andamento das obras, não foi tão otimista. “Não estamos em posição confortável, mas estamos dentro do prazo”. Segundo ele, as grandes obras, com duração prevista de mais de 3 anos, já estão em execução. No entanto, voltou a afirmar que não é possível anunciar hoje o orçamento total dos Jogos de 2016.

Em discurso, o velejador Robert Scheidt agradeceu o apoio do comitê olímpico, considerou o resultado em Londres positivo e disse que dá para melhorar até 2016. “A torcida ajudou os ingleses a disputar em casa. Vamos ganhar com isso”. Depois, em entrevista, disse que não será possível formar novos atletas até 2016.

“A geração de 2016 é a geração de atletas já formados, que estão com 18 ou 20 anos. Tem que polir. Quatro anos parece muito, mas para o esporte não é muita coisa”, disse o iatista.

O boxeador Esquiva Falcão destacou que os atletas que não têm apoio oficial devem levantar a cabeça. “Há pouco tempo ninguém conhecia a gente. Foi superação, garra e vontade de vencer. Vamos treinar e focar no ouro”, disse o capixaba, que lamentou a falta de um centro de treinamento específico para boxe. “Com isso (centro de treinamento), o boxe vai evoluir bastante”. Além da manifestação contra remoções em favelas, policiais federais em greve também protestavam, ao fim da cerimônia, do lado de fora do prédio da Infraero. Confira o desempenho do Brasil em Londres:

 Medalhistas de Ouro

Ginástica Artística masculina – Arthur Nabarrete Zanetti

Judô feminino – Sarah Menezes

Vôlei feminino

Medalhistas de prata

Boxe masculino – Esquiva Falcão

Futebol profissional masculino

Natação masculino – Thiago Pereira

Vôlei masculino

Vôlei de praia masculino – Alison/Emanuel

Boxe feminino – Adriana Araujo

Medalhistas de Bronze

Boxe masculino – Yamaguchi Falcão

Judô masculino – Felipe Kitadai

Judô feminino – Mayra Aguiar

Judô masculino – Rafael Silva

Natação masculino – Cesar Cielo

Pentatlo moderno feminino – Yane Marques

Minas Gerais não teve nenhum medalhista em Londres:

Bahia (1) – Adriana Araújo

Espirito Santo (4) – Alison Cerutti – Esquiva Falcão – Larissa França e Yamaguchi Falcão

Mato Grosso do Sul (1) – Rafael Silva

Pernambuco (1) – Yane Marques

Piaui(1) – Sarh Meneses

Paraná (1) – Emanuel Rego

 Rio de Janeiro  (1) – Thiago Pereira

 Rio Grande do Sul (1) – Mayra Aguiar

São Paulo (6) – Arthur Zanetti, Bruno Prada, Cesar Cielo, Felipe Kitadai, Juliana Silva, Robert Sheidt