Destaque »

Minas lança campanha de prevenção contra uso e abuso de álcool, tabaco e outras drogas no Carnaval

18 de fevereiro de 2020 – 11:24 |

O Governo de Minas está realizando uma série de ações de prevenção do uso e do abuso de álcool e outras drogas no Carnaval. Com a campanha “Neste Carnaval, se cuide! Não abuse”, o Estado …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » Turismo

Glaura Teixeira Nogueira Lima lança hoje ‘ O Diamante Líquido’

foto-glaura-teixeira-nogueira-lima

Que cidade é esta construída tangível e intangivelmente sob o emblema das águas que, por tradição, têm reservado a ela uma identidade tão específica quanto híbrida, formada no modo de vida e nas experiências dos seus moradores e visitantes? Que cidade é esta, centrada em torno do bem que pode trazer prosperidade e, também, curar, embelezar e trazer fruição? A combinação desses elementos expressa o significado de Araxá, localizada em Minas Gerais, Brasil. Particularidades tendem a revelar a cidade e o espaço das fontes de águas minerais, chamado Barreiro. Os dois territórios, separados fisicamente, sempre estiveram unidos por intensas relações espaciais, sociais e culturais. Via-se o Barreiro como um tesouro, as suas águas, como “verdadeiros diamantes líquidos”, na expressão de Vincenz Priessnitz (1779-1851) citada por Caminhoá (1890, p.5). Seriam as faces desse diamante as transformações exigidas para efetivar a condição de estância hidromineral, conforme as concepções em vigor. Araxá acolhera essa tendência, largamente disseminada no mundo ocidental a partir do término do século XIX. Colocara em prática alguns conceitos como urbanismo, sanitarismo, avanço técnico-científico e modernização, unindo-os às possibilidades inovadoras de trabalho, de socialização e de lazer. Nesse percurso cintilaram inúmeras conquistas, inevitáveis conflitos e contradições. Diante do proposto fora preciso transformar a cidade em balneário e o balneário em cidade, preferencialmente, uma cidade-jardim. De que maneira se entendiam, imaginavam e criavam esses espaços? Neles há os que vivem e trabalham. Há também os que se divertem, descansam ou se curam das mazelas do corpo e da sociedade. Como se deu o contato dos anfitriões com quem chegava para as temporadas? Considerando-se o universo dos hotéis, do balneário antigo, das fontes e dos serviços urbanos, das praças e dos jardins, observa-se a pluralidade do convívio social nos ambientes privados e na cena pública, circundados pelo fetiche de um constante vaivém. A Belle Époque, vivida em Araxá nos anos 1920 e 1930, elegeu alguns deles como ambientes restritos onde se teciam relações de sociabilidade e de poder. Neles se projetava o simbolismo dos ritos e aparatos. Consagravam-se personagens, condenavam-se outros. Assim se davam as regras da equação envolvendo os habitantes locais e os frequentadores esporádicos. Os tempos praticados eram também de embelezamento e de romance. Os estudos científicos atestavam os banhos e a permanência na estância. Médicos, publicitários e comerciantes creditavam à hidroterapia, aos fatores climáticos e à variação do lugar, a vitalidade do organismo e o alívio do ritmo em crescente tensão nos centros urbanos. Há que se observar que Araxá estendeu a experiência de um novo tempo, de uma bela época, próprios de sentir a cidade e sua estação de águas. Na década de 1940, inaugura-se o novo e almejado balneário com pretensões definitivas, ao contrário de outrora. O Complexo Termal do Barreiro de Araxá esteve inserido no projeto político-cultural de Getúlio Vargas, durante o Estado Novo. Quais as circunstâncias que se apresentavam para levar a efeito um modelo de cidade balneária?  Firmava-se ali a materialização da ideia, em concreto, de uma estação de águas? Seria a construção coletiva de um sonho? Ou uma questão de interesse de muitos cujas reações de quem as vê seguem as percepções individuais? O mundo que se reservara à miraculosidade das águas, às sedutoras paisagens, aos magníficos salões com shows atraentes e ao fulgor do cassino sofreria novas metamorfoses capazes de alterar o cotidiano de muitos para eternizar-se na memória eleita da população. Mediante as rupturas, as mais incertas, ou aos nós, os mais rígidos, as idealizações acerca da forma de reconhecimento pretendida estiveram amealhadas pelo desejo de ser próspero, saudável, elegante e capaz de assegurar para si momentos que deveriam ser memorizados. É esse o mote deste livro.

diamante_011116