Destaque »

Comandante da Capitania Fluvial de Minas Gerais visita Araxá

20 de fevereiro de 2020 – 19:24 |

A Capitania Fluvial de Minas Gerais, com sede em Belo Horizonte desde dezembro de 2018, está ampliando sua área de atuação e deve instalar unidades no Triângulo Mineiro e região do Rio Paranaíba. No …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » +, Turismo

Guia Jornal Interação no Fliaraxá 2016

Nesta segunda edição do ‘Guia Jornal Interação  no Fliaraxá 2016,’ vamos destacar os grandes nomes das letras que farão parte do 5º Festival Literário de Araxá que vai acontecer na sede da Fundação Cultural Calmon Barreto entre os dias 14 e 18 de setembro de 2016. Em entrevista exclusiva ao  JORNAL INTERAÇÃO, o curador e idealizador do Fliaraxá Afonso Borges disse que, “ entre os mais de 60 autores e escritores de renome nacional e internacional a gente tem que destacar principalmente o nosso homenageado deste ano que é o escritor amazonense, Milton Hatoum que nasceu em Manaus (1952). Formado em arquitetura na USP, estreou na ficção com Relato de um certo Oriente (1989, prêmio Jabuti de melhor romance). Em 2000 publicou Dois irmãos, eleito o melhor romance brasileiro no período 1990-2005 em pesquisa feita pelos jornais Correio Braziliense e O Estado de Minas. Seu terceiro romance (Cinzas do Norte ), obteve os prêmios Portugal Telecom, Grande Prêmio da Crítica/APCA -2005, Jabuti/2006 de melhor romance, Livro do Ano (CBL) e BRAVO! de literatura. Em 2008 publicou a novela Órfãos do Eldorado (Prêmio Jabuti 2º. lugar). É também autor do livro de contos A cidade ilhada (2009) e de um livro de crônicas: Um solitário à espreita (2013) Sua obra livros foi traduzida em 14 línguas e publicados em 17 países. Em 2011 recebeu nos Estados Unidos o prêmio Brazilian International Press Award. É colunista do jornal O Estado de S. Paulo.  Outro importante nome da literatura nacional que estará presente à edição 2016 do Festival Literário de Araxá é o escritor araxaense Francisco Soares Alvim Neto (Francisco Alvim) que  nasceu em Araxá, em 1938. Filho de Mercêdes da Costa Cruz Alvim e Fausto Figueira Soares Alvim, à época prefeito da cidade. Estreou em 1968 com o livro de poemas Sol dos cegos, edição do autor. Durante os anos 70, no contexto da chamada poesia marginal, dentro da pioneira coleção Frenesi, Alvim publica Passatempo; e, em co-autoria com Eudoro Augusto, Dia sim, dia não (Coleção Mão no Bolso). Na década seguinte, lança Lago, Montanha e Festa em outra coleção “marginal”, a Capricho. Também nos anos oitenta, ocorrem as primeiras edições comerciais de seus livros: em 1981, a Brasiliense lança a coletânea Passatempo e outros poemas; em 1988, sai Poesia reunida, na coleção Claro enigma, editada por Augusto Massi com o selo da Duas Cidades, que inclui o inédito O corpo fora. Em 2000, a Companhia das Letras lança Elefante, que também sai em Portugal, pelas edições Cotovia. Em 2004, a Cosac Naify, em coedição com a Sete Letras, publica o conjunto de seus livros – Poemas (1968-2000), na Coleção Ás de Colete; e, em 2011, pela Companhia das Letras, sai O metro nenhum. Alvim é diplomata aposentado. Casado com Clara de Andrade Alvim, o casal tem dois filhos – Fausto Figueira Soares Alvim, à época prefeito da cidade, e Pedro e Joana e dois netos, João e Manoel.  Também estarão presentes no evento o famoso palestrante motivacional Mário  Sergio Cortella, nascido em Londrina (PR), em 1954, é filósofo e escritor, com mestrado e doutorado em Educação. Foi professor-titular da PUC-SP, na qual atuou por 35 anos com docência e pesquisa na pós-graduação em Educação: No Departamento de Teologia e Ciências da Religião, é professor-convidado da Fundação Dom Cabral desde 1997. Ensinou no Programa de Educação Continuada da FGV-SP. Foi secretário municipal de Educação de São Paulo (1991-1992), tendo antes sido assessor especial e chefe de gabinete do Prof. Paulo Freire. É autor de diversos livros nas áreas de educação, filosofia, teologia e motivação e carreira. Nelson Cândido Motta Filho, nascido em São Paulo em 29 de outubro de 1944 é um jornalista, compositor, escritor, roteirista, produtor musical e letrista brasileiro. Nasceu na capital paulista, mas foi morar no Rio de Janeiro com os seus pais quando tinha apenas seis anos de idade. Em 1966, venceu a fase nacional do I Festival Internacional da Canção (FIC), com sua canção Saveiros (com Dori Caymmi), interpretada por Nana Caymmi. Participou da bossa nova junto com nomes como Edu Lobo e Dori Caymmi. Ajudou no desenvolvimento do rock brasileiro, através de seu trabalho como jornalista em O Globo e no programa Sábado Som, pela Rede Globo. No final da década de 80 foi responsável pelo lançamento de Marisa Monte e pela produção do festival Hollywood Rock. Autor de sucessos musicais como Dancing Days (com Ruben Barra), Como uma Onda (com Lulu Santos), Coisas do Brasil (com Guilherme Arantes), Motta já dirigiu espetáculos no Brasil e no exterior e produziu discos de grandes astros e estrelas da MPB tais como Elis Regina, Marisa Monte, Gal Costa, Daniela Mercury, entre outros. Foi diretor artístico da gravadora Warner Music, produtor da Polygram e também participou do programa Manhattan Connection, do canal GNT, por oito anos. Escreveu Noites Tropicais, que vendeu mais de 100 mil cópias, O Canto da Sereia (editora Objetiva), Nova York é aqui (editora Objetiva), Memória Musical (editora Sulina), Bandidos e Mocinhas (editora Objetiva), entre outros. Seu mais recente título, Vale Tudo? O som e a fúria de Tim Maia, também da Objetiva, biografia do cantor morto em 1998. Nelson mantém o programa musical Sintonia Fina, que toca em várias rádios do país. Atualmente, está produzindo o roteiro do Noites Tropicais, documentário, e Bandidos e Mocinhas, que vai virar filme, e mantém também uma coluna sobre cultura que vai ao ar as sextas feiras no Jornal da Globo. Leonardo Boff nasceu em Concórdia, Santa Catarina, em 1938. Cursou Filosofia e doutorou-se em Teologia e Filosofia na Universidade de Munique-Alemanha. Ingressou na Ordem dos Frades Menores, franciscanos, em 1959. Em 1984, em razão de suas teses ligadas à Teologia da Libertação (que luta contra a miséria e pelos direitos humanos), apresentadas no livro “Igreja: Carisma e Poder”, foi submetido a um processo pela Sagrada Congregação para a Defesa da Fé (ex Santo Ofício), no Vaticano. Em 1985, foi condenado a um ano de “silêncio obsequioso” e deposto de todas as suas funções editoriais e de magistério no campo religioso. Dada a pressão mundial sobre o Vaticano, a pena foi suspensa em 1986, e assim ele retomou algumas de suas atividades. Em 1992, de novo ameaçado com uma segunda punição pelas autoridades de Roma, renunciou às suas atividades de padre. “Mudei de trincheira para continuar a mesma luta”: Continua como teólogo da libertação, escritor, professor e conferencista nos mais diferentes auditórios do Brasil e do mundo. É assessor de movimentos sociais de cunho popular libertador, como o Movimento dos Sem Terra e as comunidades eclesiais de base (CEB’s), entre outros. É autor de mais de 60 livros nas áreas de Teologia, Ecologia, Espiritualidade, Filosofia, Antropologia e Mística. Ganhou o prêmio Nobel alternativo da paz em Estocolmo (Right Livelihood Award), em 2001. “Autor de 60 livros, editados no Brasil e no exterior, Frei Betto nasceu em Belo Horizonte (MG). Estudou jornalismo, antropologia, filosofia e teologia. Frade dominicano e escritor, ganhou em 1982 o Jabuti, principal prêmio literário do Brasil, concedido pela Câmara Brasileira do Livro, por seu livro de memórias “Batismo de Sangue” (Rocco). Em 2011, seu romance policial “Hotel Brasil” (Rocco) ficou entre as dez obras finalistas do Prêmio Jabuti, no quinto lugar. Em 2012, seu romance “Minas do Ouro” (Rocco) ficou entre os finalistas do Prêmio Portugal Telecom. Foi assistente de direção de José Celso Martinez Corrêa no Teatro Oficina, na primeira montagem da peça de Oswald de Andrade, “O rei da vela”. Foi coordenador da ANAMPOS (Articulação Nacional de Movimentos Populares e Sindicais); participou da fundação da CUT (Central Única dos Trabalhadores) e da CMP (Central de Movimentos Populares). Prestou assessoria à Pastoral Operária do ABC (São Paulo), ao Instituto Cidadania (São Paulo) e às Comunidades Eclesiais de Base (CEBs). Foi também consultor do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Em 2003 e 2004 atuou como Assessor Especial do Presidente da República e coordenador de Mobilização Social do Programa Fome Zero. Desde 2007 é membro do Conselho Consultivo da Comissão Justiça e Paz de São Paulo. É sócio fundador do Programa Todos pela Educação. Colabora com vários jornais, revistas, sites e blogs, no Brasil e no exterior.

Frei Betto

Frei Betto

nelson_motta

nelson_motta

milton_hatoun

milton_hatoun

leonardo_boff

leonardo_boff

Cortella

Cortella

chico_alvim

chico_alvim