Destaque »

Ganso empata com Valeriodoce e continua no G4

24 de setembro de 2018 – 19:49 |

Em partida válida pela décima rodada da primeira fase do Campeonato Mineiro da Segunda Divisão, versão 2018, chancelado pela Federação Mineira de Futebol, na manhã do último  domingo, dia 23 de setembro, o time do …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » Agronegócios

Ministério da Agricultura declara MG oficialmente livre de peste suína clássica

SuinosO Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento publicou no Diário Oficial da União esta semana a Instrução Normativa (IN) nº  25,  declarando oficialmente como livres de peste suína clássica (PSC)  Minas Gerais e mais 14 estados, além do Distrito Federal  e quatro municípios  do Amazonas. Em 25 de maio deste ano Minas Gerais e estes estados já haviam sido reconhecidos como livres de PSC pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). A IN 25 estabelece normas para o trânsito de suínos em todo o território nacional, determinando que  fica proibida a entrada nos estados da área livre de PSC de animais e material genético procedentes dos demais estados brasileiros ainda não reconhecidos como livres dessa doença. Na prática, a medida tem caráter preventivo para assegurar a manutenção do status de área livre para os estados já reconhecidos nessa condição. A coordenadora estadual do Programa de Sanidade Suídea do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), Júnia Mafra, ressalta que o Instituto continuará executando todas as ações previstas no sistema de vigilância preventivo à PSC. “Essas ações de vigilância foram fundamentais para que Minas Gerais fosse reconhecida como área livre de PSC. Nossa responsabilidade é maior ainda uma vez que Minas Gerais é líder no ranking nacional como exportador de genética de suínos para o mercado doméstico”, pondera. O estado tem o quarto maior plantel de suínos do Brasil, com 5,2 milhões de animais e possui 27 Granjas de Reprodutores de Suínos Certificadas (GRSC). Entre as ações realizadas está a vigilância ativa em granjas e criatórios fiscalizando in loco o número de animais nestes estabelecimentos, sinais clínicos de possíveis doenças no plantel e as taxas de mortalidade. Em outra frente o IMA realiza a vigilância passiva, a partir das notificações de suspeita de alguma doença nos rebanhos. Estas notificações são feitas por produtores, veterinários ou responsáveis técnicos pelas granjas. O instituto realiza também a vigilância em relação aos reprodutores que são descartados via abate oficial, por meio de coleta de sangue antes e no pós abate. Júnia Mafra relata que outra ação do IMA consiste em fiscalizar a cada seis meses as Granjas Reprodutoras de Suídeos Certificadas (GRSCs). Estes estabelecimentos são considerados o topo da cadeia produtiva pelo fato de manterem os suínos livres de PSC e de outras quatro doenças. Além disso, é feito o inquérito soroepidemiológico em criatórios de menor porte também para verificar possíveis doenças nos animais.