Destaque »

Ganso empata com Valeriodoce e continua no G4

24 de setembro de 2018 – 19:49 |

Em partida válida pela décima rodada da primeira fase do Campeonato Mineiro da Segunda Divisão, versão 2018, chancelado pela Federação Mineira de Futebol, na manhã do último  domingo, dia 23 de setembro, o time do …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » +, Diversos

Pão de queijo desembarca na Suíça

1468347190482O pão de queijo desembarca no país do queijo – a Suíça – e ganha contornos de um produto prêmium, servido em restaurantes estrelados no Guia Michelin e em sofisticadas boulangeries. A iniciativa é de um casal de brasileiros – Jussara e Alex Gusmão – que abriram uma fábrica na cidade de Nyon e já contam com mais de 60 pontos de vendas do pão de queijo pelo país alpino. Se durante décadas diversas tentativas de companhias e de empresários fracassaram em introduzir o pão de queijo na Europa, o casal optou dessa vez por uma estratégia diferente: transformar o produto em um alimento com características suíças, um salto que não exigiu mudanças radicais nem na receita e nem no visual do produto oferecido. O polvilho ainda está presente e, nas últimas semanas, chegou até Nyon em um carregamento de 3 toneladas para abastecer a expansão dos negócios da família Gusmão. Mas o queijo usado no Brasil foi substituído pelo gruyère, dando até à embalagem uma imagem reconhecida de todos os suíços e europeus. “Estamos usando um produto tradicionalmente brasileiro e explorando a paixão dos suíços pelo queijo”, disse Alex Gusmão. Segundo a Federação Internacional do Leite, a Suíça está entre os maiores consumidores de queijo per capta do mundo, com uma média de 22 quilos por ano. Mas, até agora, o pão de queijo era um produto que se limitava a atender à população de brasileiros no exterior. E, mesmo assim, quase que exclusivamente em lojas de 1468347190371imigrantes, com produtos importados.  Foi para esse público que a mineira Jussara começou a preparar seus pães, a partir de uma receita de sua avó e na cozinha de sua casa. Mas, diante da demanda e dos planos de expansão, o casal abriu uma pequena fábrica, importou máquinas do Brasil, Itália e França e costura uma ampla rede de distribuição. No primeiro mês de produção “industrializada” em maio, as vendas somaram 300 quilos, quando o plano era de atender apenas 120. O plano é o de saltar 600 quilos de pão de queijo por mês até o final do ano. Isso, em unidades, equivale a 300 mil pães de queijo.  Ao contrário de outras tentativas frustradas de introduzir o produto ao gosto europeu, Jussara e Alex optaram por iniciar a distribuição não por supermercados. Mas por locais sofisticados, como “epiceries” e conhecidas boulangeries de Genebra e Lausanne. Outra estratégia foi a de entrar como um produto oferecido em locais de luxo. Um deles já comprou a ideia: o restaurante Auberge du Lyon D’Or, com uma estrela no Guia Michelin e que já explora servir o pão de queijo com salmão, caviar e champagne. A adaptação ao gosto não se resumiu em colocar o queijo gruyère. A água foi substituída por leite, a margarina por óleo de girassol e a textura interior ficou mais 1468347190455consistente. “É um produto mais leve”, explicou Jussara, que não descarta começar a testar novos queijos no futuro. Todos suíços.  Na embalagem, o nome em português “Pão de Queijo” foi mantido. Mas com traduções em alemão  Käsebrötchen ou em italiano Pane al Fromaggio. No plano de expansão, o próximo passo será o de ganhar os supermercados e redes. O pacote com 20 unidades será vendido por 15 francos suíços, valorequivalente a pouco mais de um lanche no McDonald’s. “Esse é um produto premium, de alta qualidade”, explicou Alex, que planeja uma série de eventos de degustação para apresentar o produto. O que Jussara não abre mão, porém, é de uma foto de sua avó mineira no verso da embalagem que logo chegará aos supermercados. No material de distribuição da empresa, uma breve história do pão de queijo é contada, com uma receita de mais de 200 anos. Os folhetos em francês concluem o percurso com uma constatação: mesmo a 8908 quilômetros de Minas Gerais, “a história do pão de queijo continua”.  (Fonte: O Estadão)

1468347190481 acg_produto5 dddda imagesfff imagesggggg índice índicegg paes-de-queijo