Destaque »

Lídia Jordão faz palestra no 13º Encontro Mulheres com Direito

17 de maio de 2019 – 19:12 |

Lídia Jordão representou Minas Gerais, juntamente com mais nove mulheres da área do Direito, de outros estados do País. Ela foi convidada pela coordenação geral  do Encontro, através da Drª Fabiana Garcia. Para Jordão, …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » Cultura

Estado abre inscrições para edital da Lei Estadual de Incentivo à Cultura 2016

CAP_3450Após solicitações de aprimoramentos no edital da Lei Estadual de Incentivo à Cultura enviadas por representantes do segmento artístico, a Secretaria de Estado de Cultura (SEC) dialogou com o setor e irá implementá-los. As alterações foram publicadas hoje no Diário Oficial do Estado de Minas Gerais e atendem a uma das principais premissas do Governo Fernando Pimentel: ouvir para governar. As inscrições começaram na última  sexta-feira (24/6) e vão até o dia 25 de julho. O valor total do edital é de R$ 15 milhões. Mais informações em www.cultura.mg.gov.br A principal mudança refere-se à Declaração de Incentivo (DI), que não mais será exigida no ato de inscrição dos projetos, como estava previsto anteriormente. A iniciativa visa aprofundar o acesso ao incentivo e possibilita um prazo mais elástico aos proponentes. Agora, a DI precisa ser apresentada entre 25 de agosto e 3 de outubro.

Entenda as mudanças

– Não será necessária a apresentação da Declaração de Incentivo (DI) no ato da inscrição do projeto. O documento deverá ser entregue entre 25/8 e 03/10.

– A relação das propostas aprovadas na fase de pré-análise será divulgada pela Secretaria de Estado de Cultura no dia 25 de agosto.

– A análise da Comissão Técnica de Análise de Projetos – CTAP vai considerar somente projetos classificados na primeira etapa que apresentarem documentação completa, incluindo a Declaração de Incentivo.

– O limite de projetos a serem apresentados por pessoas jurídicas passa de 2 para 1 projeto. – O valor orçamentário máximo para cada projeto cultural proposto por pessoa jurídica foi reduzido: até R$ 350 mil para propostas relativas à promoção de eventos culturais; até R$ 500 mil para propostas de manutenção de entidade artístico-cultural sem fins lucrativos; e até R$ 650 mil para propostas de reforma e/ou construção de edificação, aquisição de acervo e equipamentos de entidade artístico-cultural sem fins lucrativos. Para o secretário Angelo Oswaldo, que recebeu com atenção as demandas da sociedade, as mudanças configuram melhorias. “Acolhemos com atenção todas as sugestões enviadas pela população e chegamos a um acordo que possibilita um equilíbrio entre a viabilidade para as inscrições de projetos e o esforço para que não haja excedente de número de projetos aprovados, como aconteceu nos últimos anos”, destacou. O compromisso em resguardar todos os recursos recolhidos pela renúncia fiscal deste ano para que sejam aplicados no edital 2017 é motivado pela revisão da Lei 17.615/08, que deverá ser apresentada até o fim do ano ao Legislativo Estadual. A intenção é que sejam complementados com parâmetros que possibilitem o fortalecimento do Fundo Estadual de Cultura com cerca de 30% do valor disponível para incentivo a ações culturais.

Lei Estadual de Incentivo à Cultura 2016

A SEC lançou no dia 23 de maio o edital 2016 da Lei Estadual de Incentivo à Cultura com o aporte de R$ 15 milhões. Interessados poderão realizar a inscrição entre 24 de junho e 25 de julho. Depois de um ano estacionado devido ao precoce esgotamento dos recursos recolhidos pela renúncia fiscal no ano de 2015 e ao comprometimento de 81,4 % da verba de 2016, o fluxo de incentivo a projetos culturais é retomado. As novidades do edital possibilitam a distribuição regional dos recursos captados; uma ampliação das possibilidades de acesso ao benefício, com a diminuição do teto de recursos para cada proposta; além do mais rígido padrão de qualidade para análise das propostas, desde a sua criação. Os empreendedores culturais mineiros recebem ainda a segurança da continuidade do mecanismo, com o fim do círculo vicioso da falta de critério na liberação da captação dos recursos, que o ameaçava nos últimos anos.