Destaque »

Em final com 6 gols, França bate Croácia e conquista o bi mundial

17 de julho de 2018 – 0:56 |

A vitória sobre a Croácia por 4 a 2, na final da Copa do Mundo da Rússia, no domingo, coloca a França em um novo patamar no futebol mundial. O time …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » Diversos

UNIARAXÁ apresenta resultados do Projeto Bolsas de Estudos Rotary e busca novas adesões

DSCN3565 Permitir o acesso ao Ensino Superior de qualidade para jovens carentes, este é o objetivo do Projeto Bolsas de Estudo Rotary/UNIARAXÁ, que já está sendo executado há três anos e que auxilia alunos de Escolas Públicas a terem acesso à Graduação pagando apenas 20% do valor da mensalidade, o restante é financiado por pessoas e empresas que acreditam na importância da iniciativa. O UNIARAXÁ fez um balanço do projeto aos rotarianos na última quarta-feira, 1º de junho, e deixou o convite para que mais pessoas e empresas participem da iniciativa. A apresentação foi realizada pelo reitor do UNIARAXÁ, professor Válter Gomes, que destacou os objetivos do Projeto. “Queremos permitir o acesso ao Ensino Superior, beneficiando alunos carentes que não conseguiriam sozinhos financiar seus estudos. A intenção é ampliar as perspectivas profissionais desses alunos, melhorar o desempenho deles no ambiente escolar e, assim, cumprirmos nosso papel social junto à comunidade”, afirma. Ainda, segundo ele, qualquer pessoa física ou jurídica que tenha interesse de apoiar Projetos de Responsabilidade Social pode participar e explica as condições para os alunos ser beneficiado. “Precisa ser aprovado no
Vestibular, ter uma frequência mínima de 75% e aproveitamento semestral de pelo menos 70%. O aluno precisa estar em dia com sua parcela na mensalidade, que é 20% do valor total do curso, e participar de atividades voluntárias em projetos promovidos pelo Rotary ou pelo UNIARAXÁ.” Atualmente, 21 alunos são beneficiados pelo DSCN3595projeto, após passarem por um criterioso processo de análise. Do total, 10 alunos são financiados pela Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM) que conheceu o projeto e optou por apoia-lo. Os outros dez alunos são financiados por pessoas físicas e jurídicas que acreditam que a educação é capaz de melhorar o contexto social em que vivemos.