Destaque »

AAL comemora 53 anos e escritora Wilma Cunha recebe Comenda Literária

19 de Maio de 2018 – 0:36 |

A noite da última terça-feira, dia 15 de maio de 2018, foi de comemoração  e homenagem, para os membros da  AAL – Academia Araxaense …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » Agronegócios

Período de seca exige cuidados redobrados na prevenção à Febre Maculosa

content_ilustracao_carrapatos-02Ainda que os casos de Febre Maculosa Brasileira possam acontecer durante todo o ano, é preciso redobrar os cuidados na prevenção entre os meses de abril e novembro, conhecido como período de seca. A doença infecciosa é transmitida por meio da picada de carrapatos infectados com a bactéria Rickettsia rickettsii.  A referência técnica do Programa da Febre Maculosa Brasileira da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Grais (SES-MG), Bruna Dias Tourinho, explica que nesta época do ano “há predomínio das formas de larva e ninfa do carrapato (chamados de micuins e vermelhinhos), que são pequenas e difíceis de serem visualizados no corpo. Por esse motivo, elas tendem a permanecer mais tempo aderidos no corpo das pessoas até que sejam identificados e retirados. Consequentemente, o risco de infecção e a frequência de casos de febre maculosa que são maiores neste período do ano”. Bruna esclarece, ainda, que “populações expostas a ambientes onde há presença de carrapatos (áreas rurais, matas, cachoeiras, pasto sujo, áreas com presença de animais domésticos ou silvestres, parques, beira de rios e lagoas) ou a animais que participam do ciclo de transmissão da doença (roedores, cães, cavalos, capivaras e bois), ou aqueles que frequentam áreas onde a transmissão da FMB é conhecida, são as que apresentam maior risco para se infectarem”. Dessa forma, é importante que a população esteja atenta para a vistoria frequente do corpo  e retirada de carrapatos o quanto antes. No estágio inicial, os sintomas da doença incluem febre, em geral alta, dor de cabeça, dores musculares intensas, mal estar generalizado, náuseas e vômitos. Bruna Dias Tourinho destaca a necessidade de estar atento aos sintomas, uma vez que podem ser facilmente confundidos com outras doenças. “É fundamental que, diante dos primeiros sinais, o paciente procure o serviço de saúde imediatamente e relate ao profissional médico que esteve em áreas propícias para a presença de carrapatos”. Em Minas Gerais, no período de 2000 a 2015, os casos de Febre Maculosa Brasileira ocorreram principalmente nas macrorregiões Centro (22,4%), Leste (21,2%), Nordeste (15,3%) e Sudeste (13,0%) do estado. Os municípios que apresentaram o maior registro de casos da doença neste período foram Juiz de Fora (10,3%), Coronel Fabriciano (7,5%) e Santa Luzia (3,3%).  Ao frequentar áreas propícias para a presença de carrapatos (áreas rurais, matas, cachoeiras, pasto sujo, áreas com presença de animais domésticos ou silvestres, parques, beira de rios e lagoas), devem ser tomados os seguintes cuidados: – Utilizar repelentes à base da substância Icaridina, que são eficazes na prevenção de picadas por carrapatos; – Utilizar vestimentas longas e de cor clara, que permitem a fácil visualização dos carrapatos, além de calçados fechados e de cano longo são bastante importantes; – Evitar sentar ou deitar em gramados nas atividades de lazer, como caminhadas, piqueniques ou pescarias.