Destaque »

AAL comemora 53 anos e escritora Wilma Cunha recebe Comenda Literária

19 de Maio de 2018 – 0:36 |

A noite da última terça-feira, dia 15 de maio de 2018, foi de comemoração  e homenagem, para os membros da  AAL – Academia Araxaense …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » Diversos

FIA cede e Fórmula 1 terá retorno de sistema antigo de classificação

Red Bull driver Sebastian Vettel of Germany (C) leads Mercedes driver Lewis Hamilton of Britain during the Formula One Korean Grand Prix in Yeongam on October 6, 2013.  AFP PHOTO/ Prakash SINGH        (Photo credit should read PRAKASH SINGH/AFP/Getty Images)

A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) enfim cedeu à pressão das equipes e pilotos da Fórmula 1. Nesta quinta-feira, seu presidente, Jean Todt, e o chefão da categoria, Bernie Ecclestone, aceitaram a proposta dos times de retornar ao sistema antigo de classificação nos treinos de sábado. A volta do formato tradicional deverá ser oficializado nos próximos dias pelo Conselho Mundial de Automobilismo.

O formato antigo voltará já na próxima corrida, o GP da China, que será disputado em Xangai no dia 17. “Esta proposta, se aprovada pelos organismos da F1, terá efeito a partir do GP da China e será aplicada para o restante da temporada”, afirmou a FIA, em comunicado respaldado também por Ecclestone.

Com esta decisão, chega ao fim a maior novidade da temporada 2016 da F1. O treino classificatório havia recebido um acréscimo na disputa neste ano, numa tentativa de dar maior emoção ao treino. Pelo novo formato, o piloto mais lento da pista era eliminado a cada 1min30s durante as três sessões – Q1, Q2 e Q3.

O objetivo era aumentar a expectativa pela definição da pole position porque, com estas eliminações graduais, restariam apenas dois pilotos na pista em busca do primeiro lugar do grid. O formato, contudo, não saiu como o esperado. No GPs da Austrália e do Bahrein, os treinos classificatórios foram marcados pela pouca atratividade e pela evidente insatisfação dos pilotos. No Brasil, até narradores e comentaristas criticaram abertamente o formato durante as transmissões.

Ao fim do primeiro GP do ano, em Melbourne, equipes e pilotos reclamaram, sem sucesso. A pressão aumentou antes do GP do Bahrein. E, depois de mais um treino desanimador, as demonstrações de insatisfação cresceram no paddock de Sakhir. Os times se reuniram e assinaram em conjunto, em rara caso de unanimidade entre eles, carta para pedir o fim do novo formato.

“Diante do pedido unânime dos times, encaminhado em carta recebida hoje, o presidente da FIA, Jean Todt, e Bernie Ecclestone, representante dos detentores dos direitos da F1, aceitaram, conforme os interesses do campeonato, submeter uma proposta à Comissão da F1 e do Conselho Mundial de Automobilismo de reverter o treino classificatório para o modelo utilizado em 2015”, declarou a FIA, no comunicado.

A Federação revelou que as equipes pediram mudanças também na estrutura dos finais de semana de corrida, visando a temporada 2017. A entidade, contudo, não deu detalhes sobre as propostas. “Jean Todt e Bernie Ecclestone receberam bem a ideia apresentada pelas equipes de fazer uma avaliação global de todo o formato do fim de semana [de competição] para a temporada 2017”, informou a FIA.