Destaque »

Faltam 9 dias para o mineiro escolher os novos Presidente e o Governador

19 de outubro de 2018 – 20:12 |

Faltando nove dias para o embate final nas urnas, para a decisão do segundo turno da contenda eleitoral,  para o cargo de presidente da república do Brasil e para o cargo de  governador de Minas …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » Agronegócios

Minas Gerais investe na geração de emprego e renda no campo

emprego e renda no campoA Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário (Seda) vai investir cerca de R$ 1,7 milhão para ampliar a produção e gerar mais emprego e renda no campo. Nesta segunda-feira (21/12), o secretário Glenio Martins recebeu representantes de cooperativas e associações, vencedores de três editais lançados pela Seda, para assinatura dos convênios. Os contratos têm como objetivo financiar projetos para recuperação de áreas degradadas, adequação de agroindústrias familiares e produção e comercialização de frutos do cerrado. Com projetos que variam de R$ 50 mil a R$ 200 mil, 20 organizações de várias regiões do estado foram classificadas para receber os recursos. Antes da assinatura dos convênios, Glenio Martins, acompanhado da secretária-adjunta, Fabiola Paulino, se reuniu com os agricultores familiares para falar das ações da Seda. Ele lembrou que um dos primeiros atos do governador Fernando Pimentel foi regulamentar a lei que determina a compra, por parte da administração estadual, de, no mínimo, 30% dos alimentos e produtos da agricultura familiar. “Além de induzir a produção, o Governo de Minas Gerais também irá comprar os produtos da Agricultura Familiar, promovendo um ciclo de desenvolvimento”, disse Glenio Martins.
Uma das 20 instituições beneficiadas é a Associação dos Apicultores de Bocaiúva (Apiboc), que recebeu cerca de R$ 130 mil para compra de máquinas e equipamentos. Com mais de 60 associações, a entidade quer ampliar a produção de mel de 175 toneladas para 300 toneladas/ano. “Com esses recursos vamos agregar mais valor aos nossos produtos e gerar 60 empregos diretos, porque na entressafra do mel vamos produzir também polpa de frutas do cerrado”, conta o presidente da Associação, Ivan de Almeida. Segundo ele, parte da produção  de mel é destinada à alimentação escolar e outra parte para exportação nos mercados dos Estados Unidos e Europa.
Também assinaram o convênio as seguintes entidades: Centro de Agricultura Alternativa Vicente Nica, Centro de Tecnologia Alternativa de Zona da Mata, Associação Intermunicipal dos Pequenos Agricultores e Trabalhadores Rurais, Associação Sol Pequenos Produtores de Limeira (ASPEL), Centro de Agricultura Alternativa Norte de Minas, Associação dos Pequenos Produtores Rurais de Empregoe renda no campo 1Santa Maria, Associação dos Produtores Rurais e Artesãos Santanense, Associação AMANU, Núcleo Gestor da Cadeia Produtiva de Pequi e Outros Frutos do Cerrado, Fundação de Desenvolvimento e Pesquisa (Fundep), Agência de Desenvolvimento Integrado e Sustentável do Vale do Rio Urucuia.