Destaque »

Prefeitura anuncia compra de aparelhos de mamografia, raio-x e tomografia

20 de novembro de 2019 – 19:36 |

A Administração Municipal investe pesado na área de saúde, um dos segmentos que mais têm recebido recursos na gestão do prefeito Aracely de Paula. Foram R$ 38 milhões, este ano, 19,3% do orçamento, enquanto a …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » Esporte

Liga Sul, Minas, Rio ameaçada

Liga Sul, Minas Rio 1Até o fechamento desta edição ( dia 17 de dezembro de 2015), a direção do Cruzeiro havia confirmado oficialmente a sua saída da Primeira Liga Sul, Rio, Minas. O presidente Gilvan de Pinho Tavares, que também era mandatário da entidade que regia a competição, a princípio marcada para 2016, com clubes de Minas Gerais, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul, foi quem confirmou a ausência do clube de Belo Horizonte na primeira edição. O cartola não confirmou, mas especula-se na grande imprensa esportiva nacional que divergências com Alexandre Kalil, CEO da Primeira Liga, em reunião realizada nas Laranjeiras, há algumas semanas, foram o que motivaram a saída do Cruzeiro. A tentativa do ex-mandatário do Atlético-MG em colocar Mário Celso Petraglia, seu amigo pessoal e membro da cúpula do Atlético-PR, como co-presidente teria incomodado o dirigente cruzeirense. Gilvan de Pinho ainda revelou que Flamengo e Fluminense também podem deixar o torneio. De acordo com ele, os gastos previstos para as agremiações e divergências em reuniões são os reais motivos. “Posso confirmar (a nossa saída). O Cruzeiro não vai mais participar da Liga Sul-Minas. Surgiram questões dentro da Liga, que não concordei. As quais os presidentes do Flamengo e do Fluminense também não confirmaram. Não sei se eles vão sair junto com o Cruzeiro, mas existe a possibilidade de eles saírem junto com o Cruzeiro”, afirmou. Em contato com o UOL Esporte, o presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello afirmou que ainda está avaliando se o clube sairá da Liga, ou não e que não tomou uma decisão final. Ele também explicou que não conseguiu conversar com o presidente do Cruzeiro para entender as razões da saída e completou dizendo que vai conversar com o Fluminense para que os dois tomem uma decisão conjunta. Gilvan ainda completou dizendo que as despesas não podem ser pagas pelos times. “Você não pode fazer um torneio que não tenha televisão para pagar. As despesas não podem ser pagas pelos clubes, sobretudo em um momento de aperto financeiro. Discordamos de coisas que aconteceram na última reunião da Liga e trouxemos para a diretoria do Cruzeiro. Todos nos apoiaram que não é importante disputar um torneio que não seja rentável”, acrescentou. Gilvan de Pinho Tavares ainda acredita que as mudanças que podem ocorrer na Confederação Brasileira de Futebol no próximo dia 16 de dezembro podem fazer com que haja uma criação de uma Liga Nacional, responsável pela realização do Campeonato Brasileiro. “O futebol brasileiro caminha para uma Liga Nacional da Série A, da Série B e da Série C e a CBF passe a ser uma entidade que cuide da Seleção Brasileira. Estamos vivendo um momento conturbado. No dia 16, agora, temos uma eleição para a presidência da CBF”, comentou. “Deve existir uma luz no fim do túnel, que mesmo que ocorra uma eleição, vamos começar lutar para mudar o futebol brasileiro. A gente precisa começar a dirigir o futebol como empresa, não pode ser dirigido de maneira maliciosa. Pessoas de fora não podem assumir coisas como um projeto malicioso”, concluiu. No Rio de Janeiro, o presidente do Fluminense em entrevista esta semana também ventilou a possibilidade de não participar da competição.Dirigentes de cubes da Liga - Cópia