Destaque »

Comandante da Capitania Fluvial de Minas Gerais visita Araxá

20 de fevereiro de 2020 – 19:24 |

A Capitania Fluvial de Minas Gerais, com sede em Belo Horizonte desde dezembro de 2018, está ampliando sua área de atuação e deve instalar unidades no Triângulo Mineiro e região do Rio Paranaíba. No …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » +

Alterações em vôos entre Araxá e a capital mineira dividem opiniões

Desde a última quarta-feira, dia primeiro de junho, o serviço de vôos aéreos, ofertados pela empresa ‘Azul Linhas Aéreas’,  sofreu algumas alterações, na linha entre Araxá e Belo Horizonte e vise e versa. De acordo com a mudança  efetuada pela ‘Azul”, a cidade terá mais o serviço às terças e quintas-feiras, no entanto ganhará um vôo no domingo. A empresa prestadora do serviço, explicou que a alteração faz parte de um ajuste de malha. Com a medida os  horários de chegada e saída dos vôos também sofreram alterações. A direção da ‘Azul Linhas Aéreas’, acrescentou que as mudanças também vão ampliar a conectividade com outros vôos no aeroporto internacional de Confins em Belo Horizonte, para os clientes que partem de Araxá, com opções de conexão direta para cerca de 40 cidades. Com a mudança, os vôos serão às segundas, quartas, sextas, sábados e domingos. Quem sair de Belo Horizonte (às segundas, quartas, sextas),  irá chegar à Araxá às 15h25. A aeronave decola de volta para Confins às 16h. No sábado o vôo sai de Belo Horizonte as 9 horas da manhã e chega em Araxá as 10:20 da manhã. No domingo o vôo sai de Araxá as 15 horas e chega na capital mineira as 16:20 horas.  Com o formato novo, os vôos também deixam de fazer escalas em Uberaba. As mudanças implementadas pela direção da ‘Azul Linhas Aéreas’, não agradou a maioria dos passageiros e empresários locais que utilizam com freqüência o serviço. Dois pontos são motivos de descontentamento; o cancelamento do serviço ás terças e quintas-feiras e o horário que antes permitia que o passageiro embarcasse em Araxá pela manhã com opção de retornar no final da tarde à cidade.

Crise econômica afeta serviço em Araxá:

A reportagem do JORNAL Interação, conversou com o Coordenador do Aeroporto Municipal Romeu Zema de Araxá,  Fabiano Cota, sobre as alterações nos vôos entre Araxá e Belo Horizonte e também a respeito do panorama  atual do serviço ofertado em Araxá neste período de crise econômica em vários setores do Brasil. Sobre as alterações ocorridas nos vôos no último dia primeiro de julho, ele disse que, “ tem seus pontos positivos e negativos. Muita gente estava acostumada com o serviço diário e poderá sentir falta dos vôos nas terças e quintas. Mas  também foi incluído o vôo dominical que certamente vai agradar muito aos turistas e visitantes.” Fabiano Cota, revela que, “ desde de 2014, a crise que atingiu vários setores da economia nacional, o volume de serviço de vôos no aeroporto de Araxá, caiou em torno de 20 por cento. Hoje por mês entre vôos comerciais e executivos, Araxá tem em média 2 mil passageiros ( embarque e desembarque).”  O Coordenador do Aeroporto Romeu Zema, ainda afirmou que, “mesmo com a queda na oferta de vôos, o aeroporto de nossa cidade tem ma importância especial, pois em todo Brasil, hoje só existem 77 aeroportos em atividade comercial e Araxá está entre eles. Para se ter uma idéia desse ranking, em Minas Gerais, só 10 aeroportos operam comercialmente; um deles é o nosso  aeroporto”.

Sobre a ‘Azul Linhas Aéreas’:

No último final de semana, a Azul Linhas Aéreas e a United Airlines ( empresa aérea americana) anunciaram  um acordo de parceria no qual a companhia norte-americana investirá US$ 100 milhões na aérea brasileira por 5% do valor econômico da empresa.Com a aquisição de 5% do capital da aérea, a United passa a contar com um membro no Conselho de Administração da Azul. A parceria inclui um acordo de codeshare, no qual as empresas compartilharão rotas entre o Brasil e os Estados Unidos, além de outros destinos no mundo. O acordo precisará passar ainda pela aprovação da Anac e o Cade. A entrada da United na aérea não altera o controle da Azul, já que o investimento será feito por meio de uma injeção de caital. Segundo o CEO da Azul, David Neeleman, ele continuará como controlador com uma fatia de 67% da empresa. Questionado sobre o destino dos US$ 100 milhões que serão investidos, ele respondeu apenas: “Vamos colocar no banco”. “Todo mundo gosta de dinheiro, mas isso não foi o principal para nós neste acordo”, acrescentou.  Segundo o dono e fundador da Azul, a partir de 30 dias os clientes da aérea já conseguirão acessar destinos operados pela United pelo sistema da Azul. Neeleman disse ainda que a parceria com a United não inviabiliza eventuais futuras parcerias com outras aéreas dos EUA como a JetBlue.