Destaque »

Vem aí o Festival Saberes e Sabores de Araxá 2019

23 de agosto de 2019 – 17:01 |

Vem aí mais uma edição do delicioso e tradicional “Festival Saberes e Sabores de Araxá”- 2019. O evento cultural e gastronômico será realizado entre os dias …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » Agronegócios

Capal e parceiros promovem debate sobre qualidade do leite

Palestra foi ministrada pelo diretor da empresa neozelandesa, Quality Consultants of New Zealand (Qconz), Bernard Woodcock.

A Cooperativa Agropecuária de Araxá Ltda (Capal), a Itambé e o Sebrae-MG, realizaram, através do Projeto Educampo Leite, uma palestra internacional no último dia 7 de maio, no Eva`s Buffet. O encontro debateu as técnicas e os desafios enfrentados na produção de leite e a necessidade dos produtores brasileiros em investir em qualidade. O evento reuniu cerca de 150 pessoas, que acompanharam a palestra ministrada pelo diretor da empresa neozelandesa, Quality Consultants of New Zealand (Qconz), Bernard Woodcock,

A Nova Zelândia, que já enfrentou problemas de baixa qualidade da matéria prima semelhantes aos percebidos no Brasil, é hoje referência internacional do setor lácteo, com produtos aceitos no mundo inteiro. O treinamento de Boas Práticas de Fazenda, oferecido pela Qconz, é simples e necessita de pouco investimento, sendo mais importante a gestão. Os focos são os registros, a identificação e a saúde dos animais, a organização e limpeza da fazenda e a higiene da ordenha, dos equipamentos e do tanque resfriador. O objetivo do trabalho é reduzir a contagem bacteriana total (CBT), contagem de células somáticas (CCS) e incidências de antibiótico no leite, método que melhora a qualidade do leite em ambos os processos de ordenha, mecânica e manual.

De acordo com Bernard Woodcock, alcançar uma boa qualidade do leite é algo extremamente fácil. “Com métodos práticos e simples, tentamos passar ao produtor as técnicas adotadas no manejo da ordenha e na gestão da propriedade, tudo com uma forma muito rápida e prática. A grande diferença entre a Nova Zelândia e o Brasil é a simplicidade com que atuamos. Não gostamos de complicar as coisas, mas temos disciplina. Outro diferencial é que não temos opção, temos que fazer com qualidade, pois exportamos 95% do nosso produto. Ou seja, se não for feito com qualidade, não tem porque fazer”.

Segundo ele, a qualidade do leite brasileiro está melhorando bastante, mas ainda tem muito a crescer. “Aqueles que buscam a qualidade do leite estão alcançando bons resultados e, quem nem se preocupa em investir, tem deixado muito a desejar. Mas a hora de se buscar qualidade está chegando e a própria cultura do país se modificará. O mercado internacional tem um grande espaço para o produtor brasileiro. Acredito que em pouco tempo o Brasil vai conseguir exportar e o produtor que não investir em qualidade, não vai ter mercado para vender seu produto. O importante é a conscientização que o investimento para atingir a qualidade é pequeno, a vontade em mudar é até maior que o gasto com o dinheiro”, afirma Bernard.