Destaque »

Equipe de transição de Romeu Zema já tem adesão de 1.200 profissionais voluntários

17 de novembro de 2018 – 17:05 |

Cerca de 1.200 profissionais, com experiência em diversas áreas do conhecimento, já se apresentaram como voluntários para atuar em apoio à equipe de transição do governo Romeu Zema (Novo), na pesquisa e diagnóstico de 17 …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » Cultura

Araxá é representada no Centro de Arte Popular de BH

O Centro de Arte Popular foi inaugurado em Belo Horizonte no último dia 19.

Na última segunda-feira, 19, em Belo Horizonte, o governador de Minas, Antonio Anastasia, inaugurou o Centro de Arte Popular (Cemig), que tem com objetivo dar oportunidade ao artista popular de mostrar sua arte em um espaço próprio, onde as obras serão exibidas museograficamente, conferindo a elas o devido valor que merecem.

 No total, o governo de Minas investiu R$ 7 milhões na implantação do espaço cultural, dos quais R$ 1,5 milhão foi concedido pela Cemig. As obras envolveram desde a restauração do edifício até a implantação de estrutura moderna e adequada ao abrigo de obras de arte.

 O edifício tem quatro pavimentos com ateliês para oficinas, sala de exposições temporárias, auditório multiuso, café, loja, centro de informação com biblioteca, videoteca e computadores para consulta e quatro salas de exposições de longa duração. A gestão do Centro de Arte Popular – Cemig é da Superintendência de Museus e Artes Visuais da Secretaria de Estado de Cultura.

 

E a cidade de Araxá faz parte da exposição que tem curadoria criteriosa e ampla, as obras serão selecionadas com rigor e com destaque aos grandes artistas mineiros vivos ou mortos. Em seu acervo permanente, encontra-se a colcha de pavões produzida pelas artesãs da Fundação Cultural Calmon Barreto (FCCB), resultado do trabalho de resgate histórico do tear mineiro.

 O presidente da FCCB, Walter Ogawa, esteve no evento de inauguração a convite do governador Antonio Anastasia, juntamente com a secretária de Cultura, Eliane Parreiras, e o presidente da Cemig, Djalma Bastos de Morais.