Destaque »

Malvinas e Villa Nova saem na frente na semifinal do Amador

19 de novembro de 2019 – 11:34 |

Começaram no último domingo, dia 17 de novembro de 2019,  no estádio Fausto Alvim, as semifinais do Campeonato Amador de Araxá, versão 2019, promovido pela Liga Araxaense de Desportos. Na primeira partida da manhã …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » Diversos

Independentes atendem apelo popular e loteamento no Barreiro voltará a ter metragem mínima de 1 mil m²

A Câmara Municipal de Araxá promoveu Fórum Comunitário nesta segunda-feira (12) para debater sobre área mínima para loteamentos no Barreiro. A audiência foi realizada por requerimento do vereador Roberto do Sindicato (PP).

Inicialmente aprovada no dia 11 de junho passado por 12 votos a zero, uma emenda de autoria do vereador Fabiano Santos Cunha (PRB) alterou a metragem mínima de loteamentos de 1 mil m² para 400 m² em decorrência de um empreendimento que está previsto para ser construído à margem da alameda José Rios Guimarães (estrada antiga do Barreiro), cerca de 600 metros do Grande Hotel.

Fabiano abriu a audiência fazendo o uso da palavra e em sua explanação explicou que esta alteração se deu depois de um estudo junto aos proprietários da área e uma visita técnica a um condomínio fechado de alto padrão localizado em Uberaba que contou com a participação dele e do vereador Juninho da Farmácia (DEM), representando a Comissão de Finanças, Justiça, Legislação e Redação Final, e do vereador Alexandre dos Irmãos Paula (PR), representando a Comissão de Agricultura, Comércio e Planejamento Ambiental, Urbano e Rural.

No entanto, ele relatou que após a aprovação da emenda foi procurado pelo engenheiro Paulo de Souza Júnior, responsável pela elaboração do Plano Diretor do Barreiro há 10 anos quando esteve à frente do Instituto de Planejamento e Desenvolvimento Sustentável de Araxá (IPDSA), alertando sobre os aspectos técnicos para manter as diretrizes urbanísticas de 1 mil m² e sobre a permeabilidade do solo, abastecimento do lenço freático, adensamento do solo e mobilidade, explanado por ele também durante o Fórum Comunitário.

Fabiano disse também que foi questionando por alguns órgãos da imprensa e pelas redes sociais, onde o assunto ganhou grande proporção, mobilizando mais de 4 mil pessoas.

Em seguida o vereador disse que o Executivo encaminhou veto à emenda voltando a área para 1 mil m², mas depois protocolou projeto substitutivo estipulando a metragem novamente os 400 m², mas acrescentando a obrigatoriedade de ser em regime exclusivo de condomínio fechado. “Demonstrando de forma clara o interesse da Administração para com o empreendimento, como também aposta em dividir com a Câmara a responsabilidade”, considerou Fabiano.

Finalizando, ele contou que se reuniu na semana passada com os vereadores da chamada ‘Bancada Independente’ e num consenso entre todos anunciou que vão caminhar juntos na votação de acordo com a vontade popular, ou seja, não aprovarão o substitutivo e vão manter o texto original para 1 mil m² (aprovarão o veto), sendo aplaudido de pé por todos. O vereador encerrou suas palavras convidando a todos que se mobilizaram para também abraçar com ele as causas prioritárias da população.

O Fórum Comunitário manteve prosseguimento com a participação dos vereadores, convidados e público presente que se inscreveu para fazer suas considerações.

Ao final da audiência, o vereador Roberto do Sindicato solicitou à Mesa Diretora para que o situação seja definida rapidamente com a votação já declarada contrária pela maioria do substitutivo que mantém o loteamento com  área mínima de 400 m². O presidente Miguel Júnior (PMDB) acrescentou que a votação do veto à emenda, voltando o texto original para 1 mil m², já será colocado para votação na Reunião Ordinária desta terça-feira (13), e o substitutivo terá sua tramitação normal, passando pelas comissões, conversações entre os vereadores e participação popular antes de ser votado.

Roberto destacou ainda que a grande bandeira da classe política e das pessoas que se manifestaram pelas redes sociais é que em vez de loteamento o local seja transformado em Área de Preservação Permanente (APP).