Destaque »

Lídia Jordão faz palestra no 13º Encontro Mulheres com Direito

17 de maio de 2019 – 19:12 |

Lídia Jordão representou Minas Gerais, juntamente com mais nove mulheres da área do Direito, de outros estados do País. Ela foi convidada pela coordenação geral  do Encontro, através da Drª Fabiana Garcia. Para Jordão, …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » +

Campanha da Fraternidade 2012 discute a saúde pública brasileira

Encontros, missas e orações debatem o tema em todo o Brasil.

Pároco da Igreja Matriz de São Domingos, Pe. Manoel Claro Costa.

A Campanha da Fraternidade de 2012 vai abordar a questão da saúde pública com o tema “Fraternidade e Saúde”, seguido pelo lema “Que a saúde se difunda sobre a terra”. O tema tem como objetivo fazer com que o povo e as autoridades competentes reflitam sobre os desafios que o País enfrenta nesse setor.

O lema faz parte das oito metas da Organização das Nações Unidas (ONU) divulgadas nos anos 90 e previstas até 2015, nas quais figuram a redução da mortalidade infantil, melhoria da saúde materna e combate a epidemias e doenças.

A Campanha da Fraternidade é realizada no Brasil desde 1964. Anualmente, a Igreja seleciona um tema de interesse coletivo e procura envolver toda a sociedade durante a Quaresma, período entre o Carnaval e a Sexta-feira Santa, em que os católicos praticam ações para ajudar o próximo assim como fez Jesus, segundo o catolicismo. “A CNBB [Conferência Nacional dos Bispos do Brasil] geralmente tem uma comissão, fazem uma consulta e colocam temas pertinentes, inclusive à época”, explicou o pároco da Igreja Matriz de São Domingos, Padre Manoel Claro Costa.

De acordo com ele, o tema é uma chamada de atenção para a grande questão da saúde pública no País. “Eu costumo dizer que, pode ser que exagere um pouco, a saúde está na UTI. Precisamos descobrir quais são as causas por que a saúde está nessa situação e o que podemos fazer para que saia da UTI. Infelizmente, fiquei sabendo há poucos dias que o governo cortou a verba de 5,8% [R$ 77,58 bilhões para R$ 72,11 bilhões], também destinada à saúde. A gente percebe que quem fica na pior é sempre o povo”, disse o padre.

O pároco afirmou que a participação da Igreja nesse tipo de questão é fundamental para a sociedade. “É necessário que haja alguém que conscientize e esclareça o povo que mostra um caminho de soluções, então a Campanha da Fraternidade, não só visa conscientizar, mas também ações que possam levar a melhorar essa condição da saúde pública”, ressaltou.

O assunto da saúde pública será abordado com realizações de missas, orações e encontros em todo o Brasil. “É bom a gente sempre ligar a Campanha da Fraternidade com a quaresma. Quaresma, costumo dizer que é a celebração dos quatro amores de Jesus – o amor pelo Pai, pelo Reino de Deus, pelo povo e o amor total à morte, ressurreição e paixão. Que a gente saiba não celebrar apenas em termos de rito a Semana Santa ou a Quaresma inteira com as nossas atitudes solidárias na saúde e na doença”, finalizou.