Destaque »

CBMM amplia área de atuação e anuncia criação do Centro de Matéria Prima para Turbinas de Avião em Araxá

14 de dezembro de 2018 – 11:13 |

A direção da empresa CBMM, realizou na noite da última terça-feira, dia 11 de dezembro, no ‘Clara Rosa Eventos’,  a tradicional reunião de confraternização com profissionais e diretores de organismos de imprensa da cidade de …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » +

Campanha da Fraternidade 2012 discute a saúde pública brasileira

Encontros, missas e orações debatem o tema em todo o Brasil.

Pároco da Igreja Matriz de São Domingos, Pe. Manoel Claro Costa.

A Campanha da Fraternidade de 2012 vai abordar a questão da saúde pública com o tema “Fraternidade e Saúde”, seguido pelo lema “Que a saúde se difunda sobre a terra”. O tema tem como objetivo fazer com que o povo e as autoridades competentes reflitam sobre os desafios que o País enfrenta nesse setor.

O lema faz parte das oito metas da Organização das Nações Unidas (ONU) divulgadas nos anos 90 e previstas até 2015, nas quais figuram a redução da mortalidade infantil, melhoria da saúde materna e combate a epidemias e doenças.

A Campanha da Fraternidade é realizada no Brasil desde 1964. Anualmente, a Igreja seleciona um tema de interesse coletivo e procura envolver toda a sociedade durante a Quaresma, período entre o Carnaval e a Sexta-feira Santa, em que os católicos praticam ações para ajudar o próximo assim como fez Jesus, segundo o catolicismo. “A CNBB [Conferência Nacional dos Bispos do Brasil] geralmente tem uma comissão, fazem uma consulta e colocam temas pertinentes, inclusive à época”, explicou o pároco da Igreja Matriz de São Domingos, Padre Manoel Claro Costa.

De acordo com ele, o tema é uma chamada de atenção para a grande questão da saúde pública no País. “Eu costumo dizer que, pode ser que exagere um pouco, a saúde está na UTI. Precisamos descobrir quais são as causas por que a saúde está nessa situação e o que podemos fazer para que saia da UTI. Infelizmente, fiquei sabendo há poucos dias que o governo cortou a verba de 5,8% [R$ 77,58 bilhões para R$ 72,11 bilhões], também destinada à saúde. A gente percebe que quem fica na pior é sempre o povo”, disse o padre.

O pároco afirmou que a participação da Igreja nesse tipo de questão é fundamental para a sociedade. “É necessário que haja alguém que conscientize e esclareça o povo que mostra um caminho de soluções, então a Campanha da Fraternidade, não só visa conscientizar, mas também ações que possam levar a melhorar essa condição da saúde pública”, ressaltou.

O assunto da saúde pública será abordado com realizações de missas, orações e encontros em todo o Brasil. “É bom a gente sempre ligar a Campanha da Fraternidade com a quaresma. Quaresma, costumo dizer que é a celebração dos quatro amores de Jesus – o amor pelo Pai, pelo Reino de Deus, pelo povo e o amor total à morte, ressurreição e paixão. Que a gente saiba não celebrar apenas em termos de rito a Semana Santa ou a Quaresma inteira com as nossas atitudes solidárias na saúde e na doença”, finalizou.