Destaque »

Seminário de Câmaras Municipais do Triângulo e Alto Paranaíba reune políticos e agentes públicos em Araxá

16 de setembro de 2017 – 22:50 |

Terminou na tarde desta sexta-feira, dia 15 de setembro de 2017, em Araxá o 1º Seminário de Câmaras Municipais do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba. O evento que …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home » Colunistas

Coluna Francelino Cardoso Junior

O SABIÁ, QUE VINHA CANTAR PERTO DA MINHA BARRACA…

16 de setembro de 2017 – 23:10 | Comentários desativados em O SABIÁ, QUE VINHA CANTAR PERTO DA MINHA BARRACA…

 A primavera tem outro colorido, na vida sertaneja, nas matas a naturalidade, a beleza e a simplicidade desta estação, chega a ser até romântica, principalmente no nascer do dia e também no final. A aurora …

LEMBRANÇAS QUE FICAM, DAS BOAS PESCARIAS…

25 de agosto de 2017 – 0:04 | Comentários desativados em LEMBRANÇAS QUE FICAM, DAS BOAS PESCARIAS…

Estávamos á cinco dias, pescando no rio Jauru, num passeio que deixou saudades. Uma ótima pescaria, sendo que o lugar que embarracamos, era uma linda praia, areia a sumir de vista, ladeada por uma mata …

UMA AVENTURA NA ILHA DE MARAJÓ

5 de agosto de 2017 – 20:09 | Comentários desativados em UMA AVENTURA NA ILHA DE MARAJÓ

Há tempos planejávamos este passeio louco, pescar na Ilha de Marajó, até que finalmente chegou a vez, pois nossa animada turminha quando quer, realiza…Naquela sexta feira, já estávamos prontinho para a grande viagem de quatro …

AQUELA PRAIA BONITA, DO RIO ABAETÉ…

30 de julho de 2017 – 13:59 | Comentários desativados em AQUELA PRAIA BONITA, DO RIO ABAETÉ…

Era verão, naquela manhã quentinha, pois as cinco da matina já faziam 28 graus.
Benedito como de costume, já tinha dado o grito, batendo panela anunciando que o engasga lobo estava pronto, enquanto isto, as saracuras …

A PESCARIA, QUE DEIXOU SAUDADES…

13 de julho de 2017 – 23:57 | Comentários desativados em A PESCARIA, QUE DEIXOU SAUDADES…

Naquele ano tínhamos realizado muitas pescarias, porém uma deixou saudades. Sempre planejamos nossas pescarias com antecedência, quase todas se realizam, outras mofam, como diz a gíria. Algumas ficam na saudade, como esta no rio Jorjão.
Naquela …

FOI AQUELA PESCARIA, NO RIO TOCANTINS

9 de julho de 2017 – 18:32 | Comentários desativados em FOI AQUELA PESCARIA, NO RIO TOCANTINS

A cinco dias estávamos naquela linda praia, que fazia a divisa entre o lindo Tocantins, com a linda mata nativa de árvores milenares
Naquela gostosa manhã de verão, assistíamos ao lindo espetáculo da natureza, a aurora, …

FOI NAQUELA VEZ, NO RIO DAS MORTES

25 de junho de 2017 – 13:59 | Comentários desativados em FOI NAQUELA VEZ, NO RIO DAS MORTES

A cinco dias, estávamos  pescando naquele, grande e piscoso rio. Fazíamos uma ótima pescaria, também dos passeios de barco, conhecendo a região. Lembro-me de nossa chegada, meio complicada…
Depois de uma cansativa viagem, chegamos à entrada …

Como eram gostosas, nossas pescarias naquele rio, ele é a cabeceira do famoso rio Tocantins, que nasce em Formosa de Goiás. Em nossas andanças, eu gostava muito daquele cantinho, um lugar muito bonito, começando com a viagem. Podíamos admirar, na estrada onde passamos em pontes de rios secos, que somente tem água na ocasião de chuvas, porque recebem as enchorradas das serras do Paranã. Estávamos na grande panela, como chamam aquele vale, tão rico, de terras tão férteis e produtivas, cercadas pelas grandes serras e montanhas, do vale do Paranã. Usufruindo daquela maravilha, numa linda praia, que fazia a divisa, entre o rio e a maravilhosa mata nativa, de arvores milenar de madeiras de lei. Eram arvores de grande porte, pareciam disputarem entre elas, o topo para melhor contato com o sol. Na praia nossas barracas, armadas na entrada da mata, onde nas enchentes do rio, as areias invadiram a mata, com isto, ganhamos uma gostosa sombra, para proteção de um calor de quase quarenta graus. Durante o dia são os miquinhos, que chegavam até as barracas, cobrando seu tira jejum, de: bananas, biscoitos e doces. Também os pássaros, passarinhos e aves, que ali chegavam, catando quirelas que Benedito colocava em um cocho, ali pertinho. Porem nas madrugadas, o lobo guará urrava noite adentro, para abafar o cantar da misteriosa coam, cobrindo o pio do curiango e os estridentes gritinhos do peixe frito. Os latidinhos das rapousinhas, o miadinho da jaratataca tão catinguenta. Parece uma verdadeira disputa, onde na madrugada os sons são mais destacados pelos felinos, desde os meados dos gatos carajá, jaguatiricas e oncinhas vermelhas, ao esturrar das grandes suçuaranas e canguçus [onças amarelas, pretas e pintadas]. Certa manhã ouvimos, o silvar de uma grande anta, o maior animal brasileiro e também muito perigosa, porque são temperamentais, e de um momento para o outro, podem até atacar o homem. Assim eram nossas saudosas pescarias, lá em Goiás, perto da gostosa cidade de Formosa, no, RIO PARANÃ, ONDE EM CADA PESCARIA, TINHA UMA SURPRESA… francelinocardosojr@hotmail.com

2 de junho de 2017 – 0:22 | Comentários desativados em Como eram gostosas, nossas pescarias naquele rio, ele é a cabeceira do famoso rio Tocantins, que nasce em Formosa de Goiás. Em nossas andanças, eu gostava muito daquele cantinho, um lugar muito bonito, começando com a viagem. Podíamos admirar, na estrada onde passamos em pontes de rios secos, que somente tem água na ocasião de chuvas, porque recebem as enchorradas das serras do Paranã. Estávamos na grande panela, como chamam aquele vale, tão rico, de terras tão férteis e produtivas, cercadas pelas grandes serras e montanhas, do vale do Paranã. Usufruindo daquela maravilha, numa linda praia, que fazia a divisa, entre o rio e a maravilhosa mata nativa, de arvores milenar de madeiras de lei. Eram arvores de grande porte, pareciam disputarem entre elas, o topo para melhor contato com o sol. Na praia nossas barracas, armadas na entrada da mata, onde nas enchentes do rio, as areias invadiram a mata, com isto, ganhamos uma gostosa sombra, para proteção de um calor de quase quarenta graus. Durante o dia são os miquinhos, que chegavam até as barracas, cobrando seu tira jejum, de: bananas, biscoitos e doces. Também os pássaros, passarinhos e aves, que ali chegavam, catando quirelas que Benedito colocava em um cocho, ali pertinho. Porem nas madrugadas, o lobo guará urrava noite adentro, para abafar o cantar da misteriosa coam, cobrindo o pio do curiango e os estridentes gritinhos do peixe frito. Os latidinhos das rapousinhas, o miadinho da jaratataca tão catinguenta. Parece uma verdadeira disputa, onde na madrugada os sons são mais destacados pelos felinos, desde os meados dos gatos carajá, jaguatiricas e oncinhas vermelhas, ao esturrar das grandes suçuaranas e canguçus [onças amarelas, pretas e pintadas]. Certa manhã ouvimos, o silvar de uma grande anta, o maior animal brasileiro e também muito perigosa, porque são temperamentais, e de um momento para o outro, podem até atacar o homem. Assim eram nossas saudosas pescarias, lá em Goiás, perto da gostosa cidade de Formosa, no, RIO PARANÃ, ONDE EM CADA PESCARIA, TINHA UMA SURPRESA… francelinocardosojr@hotmail.com

Como eram gostosas, nossas pescarias naquele rio, ele é a cabeceira do famoso rio Tocantins, que nasce em Formosa de Goiás. Em nossas andanças, eu gostava muito daquele cantinho, um lugar muito bonito, começando com …

BONS TEMPOS, PESCANDO NO RIO JORJÃO

27 de maio de 2017 – 0:17 | Comentários desativados em BONS TEMPOS, PESCANDO NO RIO JORJÃO

Como eram gostosos aqueles tempos de pescaria… Agente planejava uma semana antes da pescaria, com muito entusiasmo, preparávamos as traias para o fim de semana e muitas vezes para alguns dias. Os encontros geralmente em …

NAQUELES DIAS, NA CHALANA, NO LINDO RIO TAPAJÓS

19 de maio de 2017 – 17:04 | Comentários desativados em NAQUELES DIAS, NA CHALANA, NO LINDO RIO TAPAJÓS

O rio Tapajós, é formado por grandes rios como, Teles Pires e Jurema, ele vai recebendo afluentes e crescendo, até juntar-se ao rio Amazonas, quase na fos no   Oceano Atlântico. Á muitos anos, planejávamos uma …