Destaque »

Ganso empata com Patrocinense e garante vaga na semifinal da Segundona

14 de outubro de 2018 – 0:07 |

Terminou agora a pouco, ( sábado,dia 13 de outubro de 2018), a partida entre Patrocinense e Araxá Esporte, no estádio Júlio Aguiar, na cidade de Patrocínio, pela última rodada da fase de classificação do Campeonato …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home »

O SABIÁ, QUE VINHA CANTAR PERTO DA MINHA BARRACA…

 A primavera tem outro colorido, na vida sertaneja, nas matas a naturalidade, a beleza e a simplicidade desta estação, chega a ser até romântica, principalmente no nascer do dia e também no final. A aurora chega com o cantar dos passarinhos, anunciando um novo dia, vem ornamentada, pelos raios multicores do rei do universo anunciando sua chegada. Nas tardes é o crepúsculo, com nuvens multicores, o sol, escondendo atrás da linda serra, vai despedindo de mais um dia. Estávamos na linda praia do rio Paranã, no lindo estado de Goiás, onde o rio Paranã que é  uma das cabeceiras do famoso rio Tocantins. Cinco da matina, Benedito já anunciava que o bagua estava pronto, era um gostoso tira-jejum, não faltando os ovos cozidos e a famosa pavesa, para acabar com qualquer ressaca. Na mata os bichos que tinham vivido toda a noite, estavam acomodando para um dia de sono, enquanto outros despertavam para mais um dia. Os passarinhos e principalmente a escandalosa saracura, faziam a alvorada, o tatu, já aguardava ali pertinho das barracas sua bóia. Benedito sempre colocava um cocho ali perto, para tratar da bicharada, eram os restos de comida e no chão jogava quirela de milho para trato dos passarinhos. Naquela manhã, ainda com um pouco de frio, nós planejávamos a pescada do dia, gostávamos de pescar ali pertinho mesmo, em um tanque que era a saída de uma corredeira, onde Benedito lavava os apetrechos da cozinha, tornou uma ótima seva, aonde os grandes peixes vinham caçar os lambaris, por ali ficando a nossa espera. Eram fisgadas seguidas, cacharas, piaparas, piaus e até um bom filhote fisgamos naquela manhã, também uma grande traira que fez a festa de Benedito. Foi o reforço do almoço e também, o tira-gosto para a bebericada da tarde. Todas as tardes, enquanto aguardávamos o jantar, dávamos nossas goladas, ouvindo piadas e causos ali contados, principalmente de nosso guia Tião. Tião era muito espirituoso e sabia florear bem suas histórias, tornando-as emocionantes e engraçadas. Contava casos de onças, ataques a pescadores ali ocorridos, que deixavam Benedito encabulado. Contou que por ali, andava um grande canguçu preto (onça preta), que estava aterrorizando todo mundo,que  até os fazendeiros eram vitimas daquela fera, que comia seus bezerros e potros. Á poucos dias, entrou numa barraca de pescadores e fez um estrago danado, a sorte era que a turma, não estava lá. Ali também existiam outras onças, as pintadas (canguçus), as pardas (suçuaranas), as vermelhinhas e os gatos Carajás, que invadiam as barracas de cozinha. Eram muito divertidas as reuniões nas tardes, piadas então, principalmente os casos de Benedito, falando da sogra. Foram dias maravilhosos com ótimas pescarias, porem o que mais gostei, foi…

                            O SABIÁ, QUE VINHA CANTAR PERTO DA MINHA BARRACA…

francelinocardosojr@hotmail,com