Destaque »

Com grandes nomes do ciclismo brasileiro e internacional, começa em Araxá a CIMTB 2018

13 de Abril de 2018 – 11:15 |

De hoje ( sexta-feira), até domingo ( 15 de abril de 2018), a cidade de Araxá vai se transformar na capital nacional do ciclismo. O evento acontece no Parque Termal do Barreiro, e …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home »

O BORDADO

A vida pode ser comparada a um bordado que no começo da vida vemos pelo lado direito e, no final, pelo avesso. O avesso não é tão bonito, mas é mais esclarecedor, pois deixa ver como são dados os pontos”

Bordar é isso. No direito a gente se encanta, mesmo que o avesso esteja um emaranhado de linhas, nós e fiapos.
Quando falo que amo a fase de vida em que me encontro, pessoas torcem o nariz ou não acreditam. Sou idosa cronologicamente. E daí?
Amo sim porque hoje posso me permitir o que, talvez em tempos remotos ou próximos,não me eram permitidos,  pelas circunstâncias da vida.
Lembro-me bem , quando tinha meus doze anos, tinha aula de trabalhos manuais no colégio São Domingos. E lá aprendi a bordar ponto de cruz com a professora Cleides Barcelos Dumond, minha prima em primeiro grau. E desde esse momento encantei-me com os trabalhos de bordados. E bordei muito, meu enxoval, o enxoval de minha filha. Eram ponto atrás, ponto de cruz , pontos simples.Quando meu falecido marido estevedoente, foi o que mais fiz, ao lado dele. Bordava e cantava “Como é grande o meu amor por você.”
Hoje posso explorar o novo, posso errar, refazer, respeitar meus limites e de ponto em ponto o trabalho fica um encanto. Olho para eles e vejo que sou capaz, percebo que posso criar, que o bordado é livre.
Através do bordado percebo minhas necessidades, priorizo meus desejos, busco a alegria, cuido de mim.
Já participei de dois cursos dirigidos pela psicóloga Leticia Britto. “Bordando no Divã” é o nome do curso. Tem nome mais sugestivo?
Ela nos faz sentir que somos bordadeiras natas e a gente acredita.
Não existe melhor terapia! A autoestima se eleva, abrimos o coração e me permito“ter preguiça” , isso era proibido por minha mãe.Hoje entendo profundamente as atitudes de mamãe centenária. E hoje ,  em alguns momentos do dia fico “zen”, posso curtir uma preguiça, um cochilo, lavar as louças após assistir o jornal ou pegar um tecido e bordar ponto atrás, ponto aresta, ponto cheio, nó francês. E no final, o bordado fica um primor, pois não é para participar de concurso, nem competição. É um bordado meu, é para priorizar meus desejos.
Perceba suas necessidades e corra atrás de seus sonhos. Os meus sonhos são pés no chão, me fazem bem e pode não acreditar,mas aprendo a ter fé através dos trabalhos manuais e fico apaixonada por mim mesma!
Bordo os meus dias com poesia. É cada bordado lindo criado.
Não consigo controlar a minha alma.
Tenho um varal imenso no quintal de casa com inúmeros bordados pendurados.”

Borda infinitamente o Poeta
Em linho, cambraia ou algodão,
Um a um, fio por fio,
O tecido da emoção.
Remata as cores da vida
No labor da sua mão,
Coloca os fios do seu pranto,
No tear do coração.
Borda, poeta, as manhãs da vida,
Que nunca te falte uma razão,
Com amor e com carinho
Faz da vida uma canção!”

Gloria Soraggi