Destaque »

CBMM amplia área de atuação e anuncia criação do Centro de Matéria Prima para Turbinas de Avião em Araxá

14 de dezembro de 2018 – 11:13 |

A direção da empresa CBMM, realizou na noite da última terça-feira, dia 11 de dezembro, no ‘Clara Rosa Eventos’,  a tradicional reunião de confraternização com profissionais e diretores de organismos de imprensa da cidade de …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home »

CULTURA POPULAR

O MUNDO MISTERIOSO DAS BENZEDEIRAS

Parte 01

Por Francisco José Géa

PROLÓGO

Todos nós, em algum dia de nossas vidas, já tivemos a necessidade de procurar e solicitar dos serviçosde alguma benzedeira ou de um benzedor. Sendo que a própria tradição nos ensinou esta prática, que é uma cultura bem antiga, destas crendices. Sendo que ela nos foi ensinada e passada pelos nossos pais, que por sua vez foi transmitida para eles, pelos nossos  avós, bisavós e vai por aí adiante, sendo que eu mesmo, até hoje procuro por estes serviços, havendo de resaltar que sou muito bem atendido e tenho todos os meus pedidos e desejos atendidos.

O INÍCIO DESTES COSTUMES

Ou  o ato das benzeduras remota da Grécia antiga, tendo se espalhado por toda a Europa, tendo passado com maior vigor pela Espanha e Portugal, sendo que não existe uma data exata de como tudo  começou. Aqui no Brasil, acredita-se que o surgimento dos benzedores, junto com os curadores, deu-se durante o período colonial, em uma época em que se jntaram os índios, com os escravos africanos, mais os boticários portugueses, havendo aí uma mistura de rezas, com as pagelanças indíginas, mais as crenças antigas, tudo isto em pleno Brasil colônia. Então com este forte sincretismo, houve aí uma mistura de rezas, orações, palavras mágicas, plantas medicinais e muita fé, que proporcionou o surgimento dos benzedores.

 

AS BENZEDEIRAS E OS BENZEDORES

Não cobram nada pelos os seus serviços, pois todos eles acreditam que a força da sua reza é umdom divino que eles possuem, e que eles têm que atender a todos que batem em suas portas, sendo que por  lá, aparece gente de todas as classes sociais e de todos os credos religiosos. Por lá surge gente rica, gente pobre, donas de casa, fazendeiros, políticos, empresários, advogados e etc. Muitos dos benzedores são apegados à raízes  e as plantas, como por exemplo a arruda, o guiné, o boldo, a mirra, ao comigo-ninguém-pode, a artemisia e outras plantas. Muitos deles fazem algumas misturas com estas plantas e até indicam algumas delas, para os clientes, fazerem os chamados ‘banhos de descarrego’. As sessões de benzeduras acontecem sempre desde o raiar do dia até o por do sol, sendo que a maioria os benzedores não fazem sessões aos sábados e nem aos domingos. Há de se registrar que algumas das benzedeiras, logo após as sessões, chegam até a ficar de cama, de tão exaustas que elas ficam. Pois elas contam que existem muitos clientes que carregam muitas energias negativas, sendo que estas energias ruins, passam  todas para a pessoa que as benzeu, entretanto todas as benzedeiras, sabem muito bem de como se livrar destas forças negativas.

 

O  RITUAL

Sempre é iniciado com um ramo, que pode ser arruda, boldo ou guiné, onde a benzedeiras trazem  um  terço nas mãos, onde vão fazendo suas orações, com movimentos giratórios em torno da cabeça e em volta da pessoa que está sendo benzida, sempre dizendo palavras boas e construtivas, e em voz alta, para a pessoa que está sendo  benzida. Sendo que quase sempre, os clientes saem de lá muito satisfeitos com aqueles trabalhos e aquelas orações. As benzedeiras resolvem os mais diversos casos, que vão desde quebranto, diarréia indantil, cobreiro, erisipela, inveja, mau-olhado, energias negativas de outras pessoas, casos amorosos, demandas judiciais, problemas de política etc e etc. Lá todas as mazelas corporais e espirituais são devidamente tratadas e curadas,apenas com as rezas, sendo que nada disto tem importância, o que realmente funciona é o poder da Fé.Sendo que existe até em casos inexplicáveis onde lá, com as benzedeiras tudo tem uma solução.