Destaque »

Fiscais da Vigilância Sanitária de 8 cidades participam de oficinas em Araxá

21 de maio de 2019 – 16:42 |

Os profissionais que trabalham com fiscalização no setor de Vigilância Sanitária na Microrregião do Planalto de Araxá se reuniram no último final dee smeana.  Nos encontros as equipes participaram de oficinas onde …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home »

“CULTURA MUSICAL – 1ª PARTE” “O MOVIMENTO DO CLUBE DA ESQUINA” “OS MINEIROS”

Francisco Jose Géa

“INTRODUÇÃO”

Este, sem dúvida alguma, foi um dos mais importantes movimentos musicais e culturais, que surgiu no Brasil, nos últimos anos, merecendo ser melhor pesquisado e conhecido, em virtude da contribuição e do legado, que este grupo de jovens deixaram para a história da MPB.

O pesquisador menos atento pode achar que as melhores décadas musicais, foram apenas as dos anos 60, no que está certo, mas ele também pode pensar que a década de 70, foi um “deserto” de criatividade musical e que nada aconteceu. Entretanto não existe nada mais falso do que acreditar nisto.

Realmente, o que aconteceu é que na década de 70, houve um “marketing” muito poderoso pela nefasta “discoteque” ou discoteca, que chegou e promoveu uma lavagem cerebral na juventude brasileira, levando muitos em pensar, que os anos 70 e início dos anos 80, não houve nenhuma inovação na MPB. Entretanto foi um grande engano, pois foi por volta dos anos de 1971/1972, que surgiu o movimento.

Após os maravilhosos movimentos da “BOSSA NOVA”, da “JOVEM GUARDA” e da “TROPICALIA”, surgiu em Belo Horizonte, como se fosse uma obra dos deuses, e encontro de talentosos músicos, havendo entre eles talentosos jovens, compositores, letristas, arranjadores e interpretes que vieram revolucionar a nossa música de tal maneira e algo tão grandioso, de uma maneira de como nunca se viu em lugar nenhum.

 

“O INÍCIO”

Aconteceu quando um grupo de jovens amigos, todos os músicos e letristas, todos bem idealistas, que gostavam muito de músicas, começaram a se reunir, todas as sextas-feiras, no conhecido “BAR DO BOLÃO”, que se localizava no bucólico bairro de Santa Tereza, em Belo Horizonte, onde começaram a desenvolver os seus talentos, suas idéias e sua “alma musical”. Este agrupamento foi uma feliz reunião de talentos, vindos de diversas escolas musicais, com jovens de diversas idades e vindos de muitas regiões do interior do Estado. Então eles, num rasgo de liberdade, puderam mostrar e criar as mais lindas melodias criando um novo estilo musical. A este momento foi dado o nome de “Clube da Esquina”, numa alusão ao Bar do Bolão. Que se localizava em uma esquina.

Não importava o nome do grupo ou do movimento, o que se importava e contava era o novo som, a originalidade e o talento que estes jovens mostraram para todo o Brasil.

 

“O CLUBE DA ESQUINA E OS PIONEIROS”

Entre uma cerveja e um tira-gosto, e entre uma conversa e uma outra conversa, foi no “Bar do Bolão”, que concretizou esta reunião de amigos-músicos, quase todos moradores do Bairro de Santa Tereza, oriundos das Ruas Eurita, Mármore, Garbo, Ramalhete ou da Praça Duque de Caxias e outras. Entretanto há de se registrar, que dentre eles haviam 2 elementos, que não eram mineiros de nascimento, apesar de que a formação musical e cultural haver sido desenvolvida em terras mineiras.Um é o conhecido “Milton Nascimento”, que nasceu no Rio de Janeiro, mas foi criado na cidade de Três Pontas, tendo permanecido por lá até mudar-se para a capital, já adulto. O outro trata-se do grande compositor e letrista Ronaldo Bastos, que apenas nascera em Niterói (RJ), mas logo mudou-se com seus país para BH, onde aconteceu toda a sua trajetória.

A eles se juntarem Beto Guedes, este oriundo da cidade de Montes Claros, Tavinho Moura, Lô Borges, Marilton, Marcio, mais os músicos Toninho Horta e Luiz Alves. De Três Pontas, apareceu outro “conterrâneo” de Milton Nascimento, que era o mestre Wagner Tiso. Havia ainda o Fernando Brant, o Tavito e o Helinho Baterista. Como curiosidade é no meio destes jovens, apareceu um senhor de quase 80 anos de idade, o Sr. Godofredo Guedes, levando por seu filho, Beto Guedes, que queria e se enturmou com a meninada.

A história há de se registrar e contar que o Sr. Godofredo Guedes, deixou o legado de 4 músicas, simplesmente maravilhosas e encantadoras, que foram arranjadas por Wagner Tiso e gravadas pelo seu filho Beto Guedes, e que levam os títulos de: “NOITE SEM LUAR”, “UM SONHO”, “CANTAR”, e “CASINHA DE PALHA”.

 

“MILTON NASCIMENTO”

Talvez ele seja o nome mais conhecido desta comunidade de jovens músicos, quando durante a década de 70, tiveram a oportunidade de oferecer ao público brasileiro, algo de vanguarda e marcaria para sempre a história da MPB. Eles marcaram a sua presença, em virtude da destreza técnica em executar os seus instrumentos, aliada a uma riqueza harmônica, que marcou uma enorme diferente de tudo aquilo que já havia mostrado no país em matéria de música.

MILTON NASCIMENTO estouro cantando a melodia que levava o título de “TRAVESSIA”, em parceria com Fernando Brant e que ganhou o 2º lugar, no Festival Internacional da Canção de 1967, que foi realizado no Rio de Janeiro. Sendo que foi à partir daí que animou os seus colegas do Clube da Esquina a prosseguirem em seus ideais, surgindo uma poderosa “usina” na criação de talentos.

 

“OS MAIORES SUCESSOS DE MILTON NASCIMENTO”

O seu LP de estréia data de 1972 e levava o nome de “Clube da Esquina”, onde ele canta e toca piano, com composições de Ronaldo Bastos e Lê Borges, tendo ainda Beto Guedes e Lô Borges nas guitarras, com Toninho Horta e Luiz Alves no violão e no baixo, Rubinho na bateria, com orquestração arranjada por Wagner Tiso e conduzida por Paulo Moura. Só isto já dá a dimensão da grandeza musical deste encontro e que resultou neste ótimo disco. Outros bens lps, foram registrados por ele que foram os discos “Travessia”, “Clube da Esquina 2”, “Geração de Estudante”, Caçador de Mim” e “Minas Gerais”.

As suas melhores e mais conhecidas músicas são: “Amigo,Amiga”, “Fé Cega, Faca A    molada”, “Penta da Areia”, “Maria,Maria”, “Canção da América”, “San Vicente”, “Nos Bailes da Vida”, “Coração Civil”, “Circo Marimbondo”,”Coração de Estudante”, havendo o destaque para a gravação do grande sucesso que ele gravou que levava o título de “Calix Bento”, que foi uma feliz adaptação que o Tavinho Moura fez, com uma legra adicional tirada das Felias de Reis que acontecem no norte de Minas, transformando esta música em uma verdadeira obra-prima do cancioneiro nacional.

 

“BETO GUEDES”

Foi revelado para o grande público, por intermédio de Milton Nascimento que lançou. Apareceram por volta do ano de 1971/72, como cantor, compositor e instrumentista de grande talento. “Vem se destacando com o seu maravilhoso som, que teve forte influência de sua terra natal, Montes Claros” e de todo o Norte de Minas. A sua música é vibrante e inovadora, sendo que o seu timbre vocal tem um som metálico e inconfundível. Os seus grandes sucessos foram: “Sol de Primavera”, “Paisagem na Janela”, “No Céu com Diamantes”, “O Sal da Terra”, “Tesouro da Juventude”, “Canção do Novo Mundo”, “Vivesse, Janelas e Canelas”. “Feira Moderna”, “Findo Amor” e outras.

O seu grande momento foi quando ele levou o seu pai, a pedido do mesmo, o Sr. Godofredo Guedes, um senhor octogenário, para integrar e participar daquele grupo de jovens do “Clube da Esquina”, quando o Sr. Godofredo não fez feio, muito pelo contrário, fez um enorme sucesso já no crepúsculo de sua vida.

 

“TAVITO”

Cantor e compositor talvez sejam o mais criativo integrante do grupo. “Lançou alguns êxitos musicais, que foram: “Começo, Meio e Fim”, “Casa no Campo”, “Cowboy”, “Naquele Tempo”, e “Coração Remoçado”.

A sua obra-prima, intitula-se de “RUA RAMALHANTE”, que foi uma lindíssima homenagem para a rua onde nasceu e residia, ou seja, a Rua Ramalhete, que fica no Bairro Santa Tereza em BH. Como curiosidade é quando a capital mineira fez 100 anos, a Prefeitura organizou um Festival de Músicas, para escolher aquela música que mais parecia com BH e que tinha a “cara” da cidade. E com todos os méritos “RUA RAMALHETE”, foi a escolhida, vencendo muitas outras músicas de boa qualidade.

(FIM) da 1ª parte

Francisco José Géa