Destaque »

Catarina enfrenta ventos fortes, mar agitado e baixa temperatura da água na travessia do Canal da Mancha

13 de setembro de 2019 – 18:25 |

Por Maurício de Castro Rosa
O ser humano é o único animal que arrisca sua vida sem ser para comer ou se salvar de um predador. Ele arrisca a vida por adrenalina, por emoções, por desafios, …

Leia mais »
Esporte
Cultura
Turismo
Meio Ambiente
Responsabilidade social
Home »

“CONGADOS E FOLIAS DE REIS” “3ª PARTE”

Francisco José Géa

“GLOSSÁRIO DE FOLIAS E CONGADOS”

“O QUE É CONGO?”

É um grupo que abre caminho para o Moçambique, quando a coroa passa pelos integrantes do grupo, como se eles fossem guerreiros. São elementos mais jovens que vão e voltam, com passos sincronizados, para eles receberem a santa, q move dentro das águas.

Essa dança já é um pouco mais ligeira, quando há um rápido cruzamento dos pés e das pernas, mostrando que esta posição mostra um gingado bem característico dos foliões.

 

“O QUE SÃO OS GUARDAS?”

São grupos de dançarinos que tem uma função simbólica e narrativa dentro de todo ritual da festa.

 

“QUEM SÃO OS MOÇAMBIQUES?”

Trata-se do pessoal que conduz o reinado que chega trazendo os seus bastões sagrados. Eles cantam a memória da velha ÁFRICA e dos seus ancestrais. Geralmente este grupo é formado com as pessoas mais velhas da comunidade, por isto elas caminham e dançam mais devagar e de uma forma mais sincopada. Eles representam um lamento, em um ritmo suplicante mesmo. Geralmente eles chegam usando roupas de cores brancas e azuis, que lembram o manto de Nossa Senhora.

 

“E GUNGAS? DO QUE SE TRATA?”

Gungas são pequenas latinhas que são amarradas nos és e nos tornozelos dos moçam biqueiros, na verdade elas fazem um barulho bem característico e representam as correntes que prendiam os escravos.

 

“QUEM SÃO OS CACARUAS”

Ele se apresenta com uma máscara de gorila, de palhaço, de lobisomem ou do demônio, representa o poder do maligno.

 

“CANDOMBÉ, O QUE É ISTO?”

Candomblé, representa os 3 tambores sagrados, que se chamam de SANTANA, SANTINHA e JEREMINAS, que foram os 3 que retiraram Nossa Senhora das águas, quando ela apareceu sentada no tambor, que era chamado de SANTANDA,que possuía uma forma de um andor, lembrando de que CAMDOMBÉ ou CANDOMBLÉ, significa um TAMBOR, cujo ruído marca o encontro dos vivos com os mortos.

 

“MARUJADA, O QUE É ISTO?”

São os antigos navegantes portugueses, eles representam os brancos e os marinheiros, que aqui chegaram vindos da África, trazendo os escravos, nos navios negreiros.

 

“O QUE É REINADO”?

Trata-se da coroação dos reis e constituição de toda a sua corte, estes reis são perpétuos e eles apresentam o reino africano em solo brasileiro.

 

“E OS REIS FESTEIROS?”

Nestes mudam todos os anos e pertence à comunidade local, sendo que geralmente são pessoas que estão pagando alguma promessa religiosa.

 

“CANTOS E CANTORIAS”

Aqui, em Minas Gerais, a tradição dos reinados e dos congos constitui com um dos mais variados repertórios poético, textual, narrativo e dramático. Em todos eles, a gente nota-se que existe um saber de muita filosofia, mostrando a grandeza da nossa cultura popular, que é muito grande, e que por algumas vezes fica até um pouco difícil para a gente ter uma maior compreensão. Pois os versos são livres, sem nenhuma preocupação com o improviso, pois geralmente todas as cantorias, algumas delas, acontecem no momento do desfile, movido pela emoção e pela satisfação em estar desfilando e cantando.

 

“OS MAIS BONITOS VERSOS DAS CANTORIAS”

“SANTO REIS CHEGOU NA SUA CASA”

Aqui chegou Santos Reis na sua casa

Pré abençoar seu lar agora

E merecer a vossa escola (bis)

A estrela guia indicou o caminho

Aqui chegamos na paz do senhor

Com Santo Reis trazendo amor (bis)

Atravessamos o rio com a bandeira

Deixamos serras e floresta prá trás (bis)

Nossa bandeira é de Minas Gerais

O Santo Reis agradece a esmola

Que vos deu com tanta emoção

Que vos deu de coração (coro)

Na despedida os meus olhos chora

De saudade querendo ficar

Mas Santo Reis não pode parar (bis)

O meu senhor, ó minha senhora

A sua família a nossa gratidão

De Santo Reis a sua proteção (bis)

 

( continua na próxima edição)